Forças sírias matam 23 civis e cinco desertores, diz grupo

As forças leais ao presidente sírio, Bashar al-Assad, mataram 23 civis e cinco desertores do Exército nesta terça-feira em uma operação militar contra uma revolta de oito meses contra seu governo, informou o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

REUTERS

22 de novembro de 2011 | 21h16

Entre os mortos estavam quatro crianças baleadas pelas tropas perto de uma escola na região central de Houla, e uma criança de 12 anos foi morta em um protesto na cidade de Deir al-Zor, no leste, disse o grupo, que é liderado pelo dissidente exilado Rami Abdelrahman.

Quatro desertores foram mortos quando tropas invadiram uma fazenda em que estavam escondidos, perto da cidade de Deraa, na fronteira com a Jordânia. Outro desertor morreu em Qusair, perto da fronteira libanesa, segundo o grupo.

Não foi possível confirmar as mortes de forma independente. As autoridades, que culpam "grupos terroristas armados" pelos distúrbios, têm impedido o trabalho da mídia independente.

Um vídeo no YouTube mostrou uma das crianças, Abdelqader Maher Arslan, deitada no chão de uma casa em Houla com uma ferida a bala na parte de trás da cabeça e cercada por integrantes de sua família.

Quatro pessoas foram mortas em ataques a distritos residenciais, incluindo um homem inválido, nas redondezas de Khalidiya, e em tiroteio na capital provincial de Homs, a 22 quilômetros a sudeste de Houla, disse o Observatório.

Protestos anti-Assad estão sendo realizados durante a noite no distrito, junto a manifestações em Bab Dreib, Bab Sbaa e nas cercanias e al-Waar, segundo ativistas.

(Reportagem de Khaled Yacoub Oweis)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAMORTOSCIVIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.