Fotógrafo iraquiano da AP é acusado de ligação com insurgentes

Exército americano diz ter provas do envolvimento de Bilal Hussein com militantes, mas não revelam evidências

Agências internacionais,

20 de novembro de 2007 | 12h06

O Exército americano afirmou que tem provas "convincentes e irrefutáveis" de que o premiado fotógrafo da agência de notícias Associated Press, Bilal Hussein Zaidon, tem ligações com a insurgência no Iraque. Autoridades que pretendem processa-lo se recusam a revelar as acusações que serão apresentadas. Um advogado da Associated Press protestou firmemente contra a decisão na segunda-feira, chamando os planos do Exército americano de "blefe". O Pentágono anunciou que o jornalista, preso há 19 meses, será julgado na Corte Iraquiana, sem revelar o motivo pelo qual ele será indiciado. Hussein, um iraquianos que vive na província de Anbar, foi detido em abril de 2006 quando partes de explosivos e propaganda da insurgência foram encontradas em sua casa quando o Exército americano solicitou a sua residência como um posto de observação durante uma operação. O fotografo já estava sob a suspeita de militares americanos porque teria chegado ao local de um atentado terrorista tão rápido que os soldados suspeitaram que ele soubesse previamente do ataque. A razão do atraso para a acusação formal de Hussein seria "a descoberta de novas evidencias que afirmam que ele se infiltrou na Associated Press". O presidente da agência de notícias, Tom Curley, afirmou que tem "grandes preocupações" se os direitos de Hussein estão sendo "ignorados ou sofrendo abuso". Ele pediu ainda que os Estados Unidos libertem o fotógrafo.

Tudo o que sabemos sobre:
Associated PressEUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.