Fracassa tentativa de acordo entre AIEA e Irã

A agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) qualificou nesta sexta-feira de "decepcionante" uma reunião com o Irã na qual havia a expectativa de um acordo para a retomada das investigações sobre o programa nuclear do país.

FREDRIK DAHL, REUTERS

08 de junho de 2012 | 17h04

O fracasso do encontro, semanas depois de o chefe da agência anunciar avanços rumo ao acordo, deve reduzir as chances de sucesso em negociações mais amplas que envolvem o Irã e seis potências mundiais previstas para os dias 18 e 19 em Moscou.

O chefe global de inspeções da Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA, um órgão da ONU), Herman Nackaerts, disse após as oito horas de discussões na sede da agência, em Viena, que não foram marcadas novas discussões sobre o tema.

A AIEA pressionava o Irã a liberar o acesso de seus inspetores ao complexo militar de Parchin, nos arredores do Irã, onde há suspeitas de que o país tenha testado explosivos como parte do desenvolvimento de armas atômicas.

O Irã nega que isso tenha ocorrido, insiste no caráter pacífico das suas atividades, mas decidiu não abrir instalações militares às inspeções nucleares.

O resultado da reunião em Viena também deve reforçar as acusações ocidentais de que o Irã estaria usando as negociações com a AIEA e com as grandes potências para ganhar tempo e manter seu programa de enriquecimento de urânio, considerada a parte mais estratégica do eventual desenvolvimento de armas nucleares.

"Já deveria estar claro a esta altura que o Irã não está negociando de boa-fé", disse um importante diplomata ocidental.

Nackaerts disse que a AIEA chegou à reunião com a intenção de finalizar o acordo e apresentou uma versão revisada da proposta abordando preocupações apontadas anteriormente por Teerã.

"No entanto, não houve progresso", disse ele a jornalistas. "E de fato o Irã abordou questões que já havíamos discutido, e outras novas. Isso é frustrante. A data para uma reunião de prosseguimento ainda tem de ser fixada."

Há menos de três semanas, o diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, voltou de uma visita de um dia a Teerã dizendo que os dois lados estavam decididos a selar um acordo, e que ele deveria ser assinado em breve.

O embaixador do Irã na AIEA, Ali Asghar Soltanieh, disse após a reunião desta sexta-feira que a busca por um documento que estabeleça uma "abordagem estruturada", definido os termos gerais para a investigação da AIEA, vai continuar, e que novas reuniões ocorrerão.

Mais conteúdo sobre:
IRANUCLEARREUNIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.