Youssef Boudlal/Reuters
Youssef Boudlal/Reuters

França ajuda áreas sírias sem o controle de Assad e cogita enviar armas

Conselhos revolucionários locais foram estabelecidos nas chamadas 'zonas liberadas'

Reuters

05 de setembro de 2012 | 19h11

PARIS - A França começou a ajudar os rebeldes sírios a administrarem as "zonas liberadas" sob seu poder, e cogita também fornecer artilharia pesada para proteger essas regiões de ataques do governo, disse uma fonte diplomática nesta quarta-feira, 5. Na semana passada, o governo francês disse ter identificado áreas no norte, sul e leste do país que haviam escapado ao controle do presidente Bashar Assad, criando assim uma chance de que as comunidades locais se autogovernem.

Veja também:

 linkRebeldes sírios atacam aeroporto e dizem que derrubaram caça

 linkChefe da ONU critica países que fornecem armas ao conflito sírio

"Em zonas onde o regime perdeu o controle, como Tal Rifaat (40 quilômetros ao norte de Aleppo), que está livre há cinco meses, conselhos revolucionários locais foram estabelecidos para ajudar a população e instaurar uma administração para essas localidades, a fim de evitar o caos como no Iraque quando o regime se retira", disse a fonte.

A França ofereceu na semana passada 5 milhões de euros (6,25 milhões de dólares) adicionais para ajudar os sírios, e o diplomata disse que dinheiro e ajuda material começaram a ser entregues na sexta-feira a cinco autoridades locais em três províncias - Deir al Zor, Alepo e Idlib. Cerca de 700 mil pessoas vivem nessas áreas.

Civis em zonas controladas por rebeldes sofrem frequentes bombardeios letais por parte das forças de Assad, e há dúvidas sobre como Paris poderia ajudar a proteger os civis e convencê-los de que não há necessidade de fugirem para países vizinhos. A fonte admitiu que algumas áreas ainda enfrentam bombardeios esporádicos das forças sírias, mas que há pouca perspectiva de que voltem às mãos do governo.

Ele afirmou que as pessoas nessas regiões pediram armas antiaéreas. "É um assunto no qual estamos trabalhando seriamente, mas que tem implicações sérias e complicadas. Não estamos negligenciando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.