França diz que operação na Líbia começará em breve

A França poderá iniciar operações militares contra a Líbia dentro de horas, depois que o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução permitindo esse tipo de ação, disse nesta sexta-feira o porta-voz do governo, François Baroin.

REUTERS

18 de março de 2011 | 09h33

O presidente Nicolas Sarkozy reuniu-se com seu ministro da Defesa, primeiro-ministro e chefe das Forças Armadas, em busca de apoio para seu plano de sediar negociações entre autoridades da União Europeia, a União Africana e a Liga Árabe nesse sábado.

"Os franceses, que estavam à frente dos pedidos (pela medida), serão, obviamente, consistentes com a intervenção militar", disse Baroin à rádio RTL. "Os ataques ocorrerão em breve."

Ao ser questionado sobre que tipo de operações seriam realizadas, ele disse que a França participaria de operações para prestar assistência à insurgência rebelde e que não haveria uma ocupação no país do Norte da África.

Segundo especialistas em Defesa, a França e a Grã-Bretanha poderiam lançar nas próximas horas uma rápida operação conjunta, atacando a força aérea de Gaddafi. A implementação de uma zona de exclusão aérea ou a coordenação com outros países exigiria maior planejamento.

"Para monitorar o céu líbio, em outras palavras, estar lá permanentemente, é mais complicado, mas destruir a força aérea Líbia poderia levar alguns dias", disse Jean-Dominique Merchet, autor do blog francês "Defesa Secreta".

O Conselho de Segurança da ONU autorizou na noite de quinta-feira uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia, e ataques militares poderiam frear o avanço das forças de Muammar Gaddafi, horas depois que o líder líbio ameaçou atacar a base rebelde de Benghazi.

Fontes diplomáticas da França disseram que a Grã-Bretanha, possivelmente os Estados Unidos e um dos estados árabes poderiam se unir à operação, e a cooperação seria detalhada em uma reunião que Sarkozy espera realizar neste final de semana.

(Reportagem de Thierry Leveque, Leigh Thomas, John Irish e Catherine Bremer)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAFRANCAACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.