Fundação Kadafi afirma que barco líbio mantém curso rumo a Gaza

Marinha israelense garantiu que embarcação iria descarregar ajuda humanitária em porto egípcio

estadão.com.br,

13 de julho de 2010 | 18h55

TRIPOLI- A Fundação Kadafi desmentiu nesta terça-feira, 13, que o barco grego que fretou para ir até a Faixa de Gaza seja esperado no Egito, como afirmou anteriormente um responsável egípcio. A organização reiterou que o navio mantém seu rumo até o porto do território palestino. As informações são da AFP.

 

Veja também:

linkCapitão de barco líbio desiste de ir para Gaza, afirma Marinha de Israel

linkBombardeio de Israel deixa um morto em Gaza

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

"O cargueiro não se dirige ao porto (egípcio) de Al Arish. Mantém o rumo até Gaza", disse Yussef Sawan, diretor executivo da Fundação.

 

Um pouco antes, um responsável pelos serviços de segurança egípcio afirmou que "o barco de ajuda líbio chegará amanhã de manhã ao porto de Al Arish, onde recebeu autorização das autoridades egípcias para descarregar sua carga".

 

"O responsável egípcio somente expressava seus desejos", contestou Sawan, que também afirmou que navios de guerra israelenses "rodeiam" a embarcação.

 

A Marinha israelense, no entanto, garante que o barco que até a tarde desta terça se dirigia a Gaza com ajuda humanitária de uma ONG presidida por um filho do presidente líbio, Muammar Kadafi, aceitou descarregar sua carga no porto egípcio de el-Arish.

 

O barco, propriedade de uma empresa grega, é de bandeira moldávia e foi fretado por uma ONG islâmica presidida por Saif Kadafi, filho do presidente líbio.

 

A embarcação transporta 2 mil toneladas de ajuda humanitária e partiu da Grécia no sábado para o porto egípcio de El Arish, segundo a documentação portuária.

 

No entanto, os membros da ONG reconheceram que seu destino era a Faixa de Gaza, submetida por Israel a um bloqueio naval, aéreo e terrestre desde 2007, ano em que o movimento islâmico Hamas tomou o controle do território palestino das mãos do moderado presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.

 

No dia 31 de maio, nove ativistas turcos morreram no assalto israelense a uma frota de navios que levaria ajuda humanitária à Faixa de Gaza, fato que indignou a comunidade internacional e levou ao levantamento parcial do bloqueio à faixa.

 

Várias organizações, entre elas iranianas e libanesas, vêm anunciando desde então que voltariam a tentar romper o bloqueio israelense, mas por enquanto apenas este barco saiu em direção à região.

 

Nove ativistas de uma ONG estão no barco: seis líbios, um nigeriano, um marroquino e um argelino.

 

O capitão da embarcação, que também confirmou que seu destino era Gaza, é de nacionalidade cubana e os outros 11 tripulantes são haitianos ou panamenhos.

 

Atualizado às 19h46 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.