Fuzileiro dos EUA é inocentado de massacre no Iraque

Em troca, o capitão Lucas McConnell vai cooperar nas investigações sobre o massacre de Haditha

Efe,

19 de setembro de 2007 | 07h20

O Corpo de Fuzileiros da Marinha dos Estados Unidos retirou na terça-feira, 18, as acusações contra um de seus oficiais, acusado de não apresentar um relatório preciso sobre o massacre de 24 civis em 2005 na localidade iraquiana de Haditha, informaram fontes oficiais.O general James Mattis, da base militar Camp Pendleton, na Califórnia, informou na terça-feira em comunicado que o capitão Lucas McConnell recebeu imunidade. Em troca, ele vai cooperar nas investigações sobre o massacre."O general Mattis determinou que as medidas administrativas são a resposta apropriada para os erros e omissões supostamente cometidos por McConnell", disse o comunicado.McConnell foi acusado de não apresentar um relatório detalhado dos incidentes em Haditha a seus superiores e de não realizar uma investigação exaustiva do caso.Ele é um dos oito membros da corporação, quatro deles com categoria de oficial, acusados inicialmente pelo massacre. No entanto, os promotores já retiraram as acusações de quatro acusados.Em 19 de novembro de 2005 o sargento Frank Wuterich comandou um pelotão de marines que matou 24 civis iraquianos desarmados, depois de um soldado americano ser morto pela explosão de uma bomba. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.