Fuzileiros dos EUA entregam ex-reduto do Taliban a afegãos

Fuzileiros dos EUA entregaram nasegunda-feira o controle de um ex-reduto do Taliban ao Exércitodo Afeganistão e a seus conselheiros britânicos depois de teremmatado ali mais de 400 militantes em uma operação de quatromeses, disse a força internacional liderada pela Organização doTratado do Atlântico Norte (Otan). A parte norte do distrito de Garmsir (Província de Helmand,sul), conhecida como a cabeça da serpente devido a seu formato,servia como centro de trânsito e logística para os combatentesdo Taliban. No final de abril, cerca de 2.400 fuzileiros entraram naárea controlada pelos insurgentes e assumiram o comando sobre aregião depois de 35 dias de enfrentamentos violentos. "Durante esses 35 dias, os fuzileiros envolveram-se em 170combates nos quais provocaram grandes baixas entre osinsurgentes, mais de 400 baixas segundo o governador deHelmand, e nenhuma baixa entre a população civil", disse em umcomunicado a Força Internacional de Assistência à Segurança(Isaf), liderada pela Otan. O crescente número de vítimas civis, em especial duranteataques aéreos realizados pela coalizão comandada pelos EUA,alimentaram a indignação da opinião pública em todo oAfeganistão e criaram um ponto de atrito entre o governo afegãoe seus aliados do Ocidente. Ao restaurar a estabilidade na área de Garmsir, osfuzileiros permitiram que o Exército afegão regressasse aodistrito, partes do qual não contavam com a presença dosmilitares havia mais de dois anos, afirmou a Isaf. O principal mercado e o hospital de Garmsir foramreabertos, o sistema de canais, avaliado para sofrer reparos euma shura (reunião de conselho), realizada pela primeira vez emtrês anos. Escolas também começaram a ser consertadas. "Quando vinha para cá, disse aos fuzileiros que,independente do local para onde fôssemos, tínhamos de melhorara situação desse lugar. Hoje, nós conseguimos fazer isso",disse o coronel Peter Petronzio, comandante da 24a UnidadeExpedicionária dos Fuzileiros. Porém, neste ano, o nível de violência aumentou noAfeganistão (incluído aí Helmand). No período, cerca de 2.500pessoas foram mortas, dentre a quais até mil civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.