Gabinete de Israel debate defesa em possível conflito com a Síria

Resultado do debate deve influenciar no futuro do processo de paz no Oriente Médio

Efe,

08 de agosto de 2007 | 05h23

O Gabinete para Assuntos Políticos e de Segurança de Israel debate nesta quarta-feira, 8, em sessão extraordinária as ameaças veladas de um possível conflito armado com a Síria. A questão da defesa da população civil contra foguetes e mísseis inimigos também está na pauta. O debate será presidido pelo primeiro-ministro, Ehud Olmert. Os seus resultados podem influenciar no futuro do processo de paz no Oriente Médio, que deve incluir a retirada militar israelense da Cisjordânia ocupada para o estabelecimento de um Estado palestino. Um dos membros do Gabinete, Rafael Eitan, informou esta manhã que o governo tentará encontrar uma solução para o caso de a população ser atacada com mísseis e foguetes. Se Israel não dispuser das defesas adequadas, opinou, não deve se retirar dos territórios da Judéia e Samaria (Cisjordânia). Ele acrescentou que Israel não deve ceder territórios vitais para sua segurança diante de ameaças como a do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que defendeu a idéia de "riscar Israel do mapa", além da Al-Qaeda e do eixo radical islâmico dos xiitas no Líbano (Hezbollah) e Síria. O ministro da Defesa, Ehud Barak, que também participará do debate, destaca a importância do desenvolvimento de meios para neutralizar foguetes e mísseis no caso de uma nova guerra. Ele vê nisso uma pré-condição antes de qualquer retirada substancial da Cisjordânia, informa nesta quarta-feira o jornal israelense Ha'aretz. Apesar da superioridade militar israelense, a milícia libanesa fundamentalista do Hezbollah disparou quase 4 mil foguetes Katyusha durante o conflito do ano passado, atingindo localidades do norte de Israel. As Forças Armadas também não conseguem neutralizar os ataques de milicianos palestinos com seus foguetes artesanais Qassam, montados com canos de irrigação em oficinas metalúrgicas de Gaza e disparados contra localidades do sul de Israel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.