Gates diz que EUA podem acelerar retirada de tropas do Iraque

Secretário de Defesa acredita que condições de segurança permitiriam aumentar o ritmo da saída do país

Associated Press e Efe,

29 de julho de 2009 | 09h31

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, disse nesta quarta-feira, 29, que vê a possibilidade de uma "modesta aceleração" na retirada das tropas americanas do Iraque. "O ritmo da saída dos militares pode ser acelerado, já que as condições de segurança estão melhorando no país", afirmou Gates a bordo de um avião militar.

 

Veja também:

especialEspecial: Guerra no Iraque: do início ao fim

 

Segundo o chefe do Pentágono, talvez uma brigada de combate americana deixe o Iraque antes do previsto. De acordo com Gates, o general Ray Odierno, comandante das forças dos EUA no país árabe, disse a ele que a situação no Iraque desenrolou-se melhor do que as expectativas.

 

Os EUA retiraram suas forças das principais zonas urbanas do Iraque em 30 de junho, reposicionando-as em bases no interior do país. Segundo um acordo firmado entre Washington e Bagdá, os EUA têm até o fim de 2011 para retirarem todos os seus soldados do Iraque. Entretanto, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, tem planos de retirar todas as tropas de combate até 31 de agosto de 2010, deixando até o fim de 2011 um grupo de 30.000 a 50.000 soldados que se dedicariam a atividades de assessoria e treinamento.

 

Antes, o secretário da Defesa visitou a cidade de Erbil, na região autônoma do Curdistão iraquiano, para discutir as delicadas relações entre a região e o governo central do Iraque. O Executivo do Curdistão informou, em comunicado colocado em seu site, que Gates, que iniciou na véspera uma visita surpresa ao Iraque, se reuniu com o presidente da região, Massoud Barzani, na presença de outros altos funcionários curdos. A nota não dá mais detalhes sobre as conversas entre Gates e as autoridades curdas.

 

As relações entre o governo do Curdistão e o Executivo central iraquiano passam por um momento delicado, devido à disputa pela rica região petrolífera de Kirkuk, que a região autônoma reivindica como própria. Esta é a décima vez que Robert Gates visita o Iraque desde sua entrada no Departamento de Defesa, em 18 de dezembro de 2006. A anterior havia ocorrido em 15 de setembro do ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.