Gaza pode sofrer colapso econômico irreversível, diz Bird

Banco Mundial crítica fechamento de fronteiras com Israel controladas pelo Hamas

12 Julho 2007 | 15h46

O Banco Mundial (Bird) disse nesta quinta-feira, 12, que se as fronteiras entre Israel e a Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, permanecerem fechadas por muito tempo o território costeiro pode sofrer um colapso econômico "irreversível." O Bird fez a avaliação durante uma reunião a portas fechadas entre grupos de assistência e organizações do setor privado. Israel praticamente fechou a passagem comercial de Karni, essencial para a economia de Gaza, na tentativa de isolar o Hamas, que assumiu à força o controle do território há um mês, depois de romper com a facção moderada Fatah. O Estado judaico só permite a entrada de suprimentos humanitários por entradas menores. Embora os grupos assistenciais tenham afirmado que isso é o bastante para evitar a escassez de alimentos para o 1,5 milhão de habitantes, eles advertiram que as conseqüências para a economia de Gaza serão devastadoras. Quase todos os negócios de Gaza dependem de matérias-primas e outros suprimentos que passam pela fronteira com Israel. "Os pilares da economia de Gaza foram enfraquecendo ao longo dos anos. Agora, com o fechamento prolongado na escala atual, eles correm o risco de um colapso irreversível", disse Faris Hadad-Zervos, diretor interino do Banco Mundial para a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. A Reuters obteve uma cópia da apresentação com um participante da reunião.

Mais conteúdo sobre:
Gaza Banco Mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.