General dos EUA fala em retirada de soldados do Iraque

O comandante das forças norte-americanasestacionadas no Iraque, general David Petraeus, sugeriu querecomendará, ao falar diante do Congresso dos EUA na próximasemana, uma redução no número de soldados sob seu comando,redução essa a ser realizada em março próximo. Os comentários de Petraeus representam o sinal mais recentede que os comandantes das Forças Armadas norte-americanasacreditam que a decisão do presidente George W. Bush de enviarmais 30 mil soldados ao território iraquiano no começo de 2007havia melhorado a situação do país o suficiente para reduzir ocontingente militar ali. Tendo viajado até Sydney para participar de um encontro delíderes da Ásia e do Pacífico, Bush disse na quarta-feira versinais de progresso no Iraque, tanto na frente militar quantona política. E, mais uma vez, citou a possibilidade de reduziro número de soldados estacionados ali, atualmente em cerca de160 mil. Petraeus, em entrevista concedida ao canal de TV ABC,indicou que avaliava a possibilidade de se diminuir o número demilitares em março próximo. "O reforço terá realizado seus efeitos. Há limites para oque nossos homens conseguem fazer. Então, minhas recomendaçõesprecisam levar em conta as --mas não ser determinadas pelas--pressões que aplicamos sobre nossos militares", afirmou ogeneral. "Esse tem de ser um fator fundamental ao fazermosrecomendações", disse Petraeus, em uma entrevista concedida emBagdá e divulgada na noite de terça-feira. Quando questionado sobre se o corte no número de soldadosocorreria em março, o general respondeu: "O cálculo dossenhores está mais ou menos correto". Petraeus apresentará seu relatório ao Congresso na próximasemana, falando ao lado do embaixador norte-americano noterritório iraquiano, Ryan Crocker. Apesar de o Iraque ainda ser um lugar muito perigoso, oaumento no número de soldados, segundo Petraeus, haviaproduzido "uma iniciativa disseminada contra a Al Qaeda, algoque representa uma mudança, uma mudança importante." Bush vê-se cada vez mais pressionado pelos democratas e poralguns republicanos para começar a retirar os soldadosnorte-americanos do Iraque. Já se passaram mais de quatro anosde guerra, durante os quais 3.700 militares dos EUA e dezenasde milhares de iraquianos foram mortos. Outros quatro soldados norte-americanos perderam a vida emBagdá, na terça-feira, três deles na explosão de uma bombaplantada ao lado de uma rua, afirmaram as Forças Armadas. A morte deles eleva para cinco o número de militares dosEUA mortos em setembro até agora. Em média, cerca de trêssoldados norte-americanos morreram por dia no Iraque, emagosto. Os norte-americanos contrários à guerra também criticaramos dirigentes iraquianos por não terem conseguido, até agora,aprovar leis consideradas vitais para aproximar a maioria xiitada minoria sunita, grupos que estão em conflito atualmente. (Reportagem adicional de Ross Colvin em Bagdá, Caren Bohane Matt Spetalnick em Sydney e Eric Walsh em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.