General fala em reduzir tropas no norte do Iraque em janeiro

De acordo com comandante, medida será adotada caso forças iraquianas controlem a região

Andrew Gray, da Reuters

13 Julho 2007 | 19h28

Em meio à pressão para que o presidente George W. Bush ponha um fim à guerra do Iraque, o comandante das forças americanas no norte do país árabe disse nesta sexta-feira, 13, que os Estados Unidos podem começar a retirar suas tropas da região em janeiro.O major-general do Exército Benjamin Mixon disse que o início da retirada pode acontecer num período de entre um ano e um ano e meio, caso as forças americanas e iraquianas continuem fazendo progressos na segurança da área. Ainda assim, ele afirmou que não é aconselhável reduzir o contingente no norte do Iraque este ano."Acho que com o tempo, de forma bem metódica e pensada - e estou falando apenas da Divisão Multinacional Norte -, podemos ter uma redução do contingente que poderia ter início em janeiro de 2008", disse Mixon.A área sob a responsabilidade de Mixon inclui cidades iraquianas como Kirkuk, Tikrit e Mosul, além da instável província de Diyala, cenário de uma grande operação militar americana nas últimas semanas contra a Al-Qaeda.Falando por videoconferência, Mixon disse que tem entre cinco e seis brigadas sob seu comando, e que esse número pode ser reduzido à metade daqui a um ano e meio se a situação melhorar e as forças iraquianas ficarem mais preparadas.Uma brigada normalmente tem de 3 mil a 5 mil soldados.Conforme as forças iraquianas assumem mais tarefas, as tropas americanas concentram-se em fornecer apoio logístico, aéreo e médico, disse Mixon.PressãoBush está sob pressão cada vez mais forte, de seu próprio Partido Republicano, dos democratas e da opinião pública, para retirar as tropas do Iraque, depois de mais de quatro anos de guerra. Ele diz que pretende dar início à retirada quando as condições permitirem e quando seus comandantes militares acharem conveniente, mas recusa-se a dar datas. Apesar da ameaça de veto feita por Bush, a Câmara dos Representantes (deputados), controlada pelos democratas, aprovou na quinta-feira, 12, uma legislação que determina a retirada dos soldados de combate até abril de 2008. Bush já pediu ao Congresso que espere o relatório sobre o progresso da situação no Iraque, previsto para setembro, para avaliar uma mudança de curso.Mixon disse que a retirada não pode se basear apenas na sensação de que está na hora de ir embora. "Devemos primeiro decidir qual queremos que seja o estado final no Iraque, e o quanto esse estado final é importante para os Estados Unidos da América, para essa região e para o mundo, e então determinar como podemos chegar a esse estado final e quanto tempo isso vai levar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.