Governo de Abbas na Cisjordânia pede ajuda ao Banco Mundial

Em carta, premiê Salam Fayyad solicita liberação de US$ 80 milhões para financiar despesas da administração

Agências internacionais,

29 de julho de 2008 | 08h25

O primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, pediu ajuda econômica ao Banco Mundial (BM) para financiar as carências de sua administração, segundo afirmaram fontes palestinas e européias nesta terça-feira, 29. A economia palestina está cada vez mais empobrecida e afeta diretamente os gastos administrativos e o pagamento dos funcionários.   Fayyad fez o pedido em uma carta para a entidade financeira para o crédito internacional. A Autoridade Palestina tem que pagar seus trabalhadores e um atraso nos compromissos seria um duro golpe para o governo formado há um ano na Cisjordânia, depois que foi expulso da Faixa de Gaza pelo Hamas.   Fontes palestinas e européias disseram que Fayyad pediu ao Banco cerca de US$ 80 milhões em moeda Kuwaitiana e que seriam liberadas em 15 de agosto.   A economia palestina está a ponto de quebrar segundo dados do BM. O produto interno bruto (PIB) caiu 14% desde 1999. As restrições de Israel, que impedem o trânsito livre de mercadorias entre a população de Gaza e da Cisjordânia incidem na atividade dos territórios palestinos. No ano passado, o organismo afirmou que a economia palestina estava "fragmentada, desestruturada e totalmente dependente de ajuda exterior".

Tudo o que sabemos sobre:
Israelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.