Governo de Israel deve aprovar congelamento de colônias na Cisjordânia

Os palestinos suspenderam as conversações de paz depois que o congelamento parcial de dez meses expirou

REUTERS, REUTERS

14 de novembro de 2010 | 18h32

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, provavelmente conquistará a aprovação, por uma margem estreita, da proposta dos EUA para o congelamento da construção nas colônias de judeus na Cisjordânia, disseram fontes ligadas à política israelense.

 

Os palestinos suspenderam as conversações de paz depois que o congelamento parcial de dez meses expirou, em setembro. O governo Obama ofereceu vantagens diplomáticas e de defesa a Israel para que renove o congelamento por mais 90 dias, o que daria às negociações uma chance de retomada.

Netanyahu, que esteve nos EUA na semana passada, reuniu seu gabinete para apresentar a proposta, que segundo ele ainda está sendo redigida pelos americanos. Assim que estiver pronta, será votada pelo gabinete de segurança, composto por 15 ministros.

 

"De qualquer modo, insisto que qualquer proposta atenda às necessidades de segurança do Estado de Israel, tanto em termos imediatos quanto em relação às ameaças que enfrentaremos na próxima década", disse o primeiro-ministro, em declarações transmitidas pela mídia.

 

O governo Obama pediria ao Congresso a aprovação do envio a Israel de jatos de combate F-35 no valor total de US$ 3 bilhões.

 

Uma fonte disse que a votação no gabinete israelense deve ter um placar de sete votos a favor, seis contra e duas abstenções.

 

Em particular, autoridades palestinas manifestaram irritação com os incentivos americanos para levar Israel a prolongar a moratória na construção de colônias, dizendo que isso equivale a um suborno para que o país cumpra o que não é mais que seu dever.

Tudo o que sabemos sobre:
israelpalestinosnetanyahucisjordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.