Governo diz ter restaurado ordem em Kerbala

Confrontos entre grupos xiitas rivais matam mais de 50 peregrinos e encerra festival no Iraque

Agências internacionais,

29 de agosto de 2007 | 09h09

O primeiro-ministro iraquiano, Nuri Al Maliki, viajou na quarta-feira à cidade sagrada de Kerbala e declarou que a ordem foi restabelecida depois dos confrontos entre xiitas que mataram 52 pessoas e provocaram a fuga de mais de 1 milhão de peregrinos. Veja também:Clérigo suspende atividades do Exército Mahdi por 6 meses  Porém, a violência entre as facções xiitas rivais parecia ter se expandido durante a noite, com homens armados atacando os escritórios de um poderoso partido em pelo menos cinco cidades e abrindo fogo contra vários deles.Maliki disse que suas tropas restabeleceram a calma em Kerbala e atribuiu a violência a "grupos criminosos e armados ilegais, provenientes dos remanescentes do extinto regime de Saddam (Hussein)."  "A situação em Kerbala está sob controle após a chegada dos reforços militares, e policiais e forças militares especiais foram deslocados pela cidade para expurgar os assassinos e criminosos", declarou ele em nota.Ainda era possível ouvir disparos esporádicos após o amanhecer na cidade, oriundos da área onde ficam as mesquitas do Imã Hussein e do Imã Abbas.Também havia ruído de sirenes da polícia e de ambulâncias, e por alto-falantes as autoridades orientavam os peregrinos a ficarem afastados do centro da cidade. Pela manhã, algumas ruas de Bagdá pareciam sob toque de recolher parcial. Ônibus voltavam do sul lotado de peregrinos, alguns até pendurados no teto dos veículos.Nos confrontos de terça-feira, 52 pessoas morreram e outras 206 ficaram feridas, segundo um alto funcionário de segurança em Bagdá. O diretor do hospital Al Hussein, de Kerbala, 110 quilômetros ao sul de Bagdá, disse ter recebido 34 cadáveres e tratado 239 feridos. Mesquitas danificadasAli Kadhum, assessor de imprensa das mesquitas, disse que os santuários ficaram levemente danificados por disparos que atingiram suas cúpulas e minaretes.Centenas de milhares de peregrinos haviam se reunido nos últimos dias em Kerbala para as celebrações do aniversário do imã Mohammad Al Mahdi, que viveu no século nono e é o último dos 12 imãs que os xiitas veneram como santos.A peregrinação, a exemplo de outros ritos anuais, havia se transformado numa demonstração de força para a comunidade xiita, duramente reprimida sob o regime de Saddam, que era da minoria sunita. Rivalidade De acordo com fontes nos serviços de segurança, militantes do Exército Mahdi, leis a al-Sadr, entraram em choque com milicianos da Brigada Badr nas proximidades dos dois principais santuários xiitas da cidade. O sul iraquiano é palco de uma disputa de poder entre o Exército Mahdi e a Brigada Badr, braço armado do rival Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (CSRII).  A policia disse que homens armados queimaram edifícios do Conselho durante a noite em Kadhimiya, na cidade sagrada de Kufa, em Iskandariya e em Al Hamza, província de Babel. Em Najaf, principal cidade sagrada xiita, um diretório do partido foi atingido por um foguete. Os sadristas e o Siic, os dois maiores blocos xiitas no Parlamento, travam uma disputa de poder pelo controle das cidades no sul do Iraque, predominantemente xiita. Em muitas dessas cidades, a polícia é leal às Organizações Badr. Especialistas temem que a violência só vá piorar com a aproximação das eleições provinciais, que devem acontecer no ano que vem. 

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEKERBALATUMULTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.