Governo iraniano expulsa embaixador canadense do país

Ministro de Relações Exteriores do Canadá classificou a atitude como injustificável em comunicado

Reuters,

04 de dezembro de 2007 | 01h57

O embaixador canadense foi convidado a se retirar do Irã pelo governo, informou o ministro de Relações Exteriores do Canadá Maxime Bernier nesta segunda-feira, 3, classificando a atitude como injustificável. As relações entre os dois países estão congeladas desde 2003, quando a fotógrafa iraniano-canadense Zahra Kazemi morreu em um hospital militar devido a uma hemorragia cerebral depois de receber um golpe na cabeça na prisão Evin em Teerã. "Canadá lamenta a decisão do governo iraniano de ordenar que nosso embaixador deixe Teerã, o que é totalmente injustificável", disse Bernier em um comunicado, acrescentando que as duas nações estavam conversando sobre uma troca de embaixadores. "Infelizmente nós não pudemos aceitar os candidatos apresentados por Teerã. Acreditamos que a expulsão de nosso embaixador é uma infeliz e injustificada conseqüência desta situação", informou o comunicado. No mês passado, a Corte Suprema do Irã ordenou um novo julgamento sobre a morte de Kazemi sob custódia do estado iraniano. Ele confirmou a sentença anterior de absolver um agente da inteligência, mas determinou que o caso deve ser investigado novamente porque outras pessoas podem estar envolvidas. No mês passado também, uma equipe da Organização das Nações Unidas aprovou uma moção canadense contra o Irã por abusos de direitos humanos.

Tudo o que sabemos sobre:
CanadáIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.