Governo iraquiano faz acordo com curdos sobre petróleo e orçamento

O governo do Iraque chegou a um acordo formal, nesta terça-feira, com autoridades regionais do Curdistão a fim de encerrar uma disputa sobre exportações de petróleo e pagamentos orçamentários para a região semi-autônoma curda. 

ISABEL COLES E DOMINIC EVANS, REUTERS

02 de dezembro de 2014 | 11h11

O ministro das Finanças, Hoshiyar Zebari, disse que ambos os lados haviam concordado em exportar 300 mil barris de petróleo por dia de de Kirkuk e 250 mil da região curda, no norte do país, pela Turquia. 

Descrevendo o acordo como uma vitória para os dois lados, o governo central iraquiano e o governo regional curdo (KRG), Zebari disse que isso ajudaria a aumentar as exportações de petróleo do Iraque em uma época em que seu orçamento sofre com os baixos preços da commodity e com a guerra contra militantes do Estado Islâmico que controlam grande parte do país. 

Zebari, um curdo que integra o governo de Bagdá, disse que o petróleo de ambas as áreas deveria ser escoado pelo gasoduto do governo curdo em direção à Turquia. 

“Será necessário algum trabalho técnico, que será iniciado imediatamente pelo KRG (governo curdo)”, disse ele à Reuters. 

O governo curdo também ajudará a ligar os campos de petróleo de Kirkuk a seu gasoduto até a Turquia, porque o gasoduto original foi destruído e está sob controle do Estado Islâmico, disse ele. 

Como parte do negócio, o governo federal deve retomar os pagamentos para a região curda, de 17 por cento do orçamento do Estado, e deve adicionalmente pagar 1 bilhão de dólares para salários e equipamentos das forças de segurança curdas, os chamados peshmerga, que lutam ao lado do Exército iraquiano contra o Estado Islâmico. 

“O acordo foi alcançado hoje e endossado pelo gabinete iraquiano. Agora o acordo está fechado”, disse Zebari. 

Outros representantes do governo confirmaram que o acordo estava selado e disseram que isso ajudaria as finanças públicas iraquianas.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF 

Mais conteúdo sobre:
IRAQUECURDOSACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.