Sabri Elmhedwi/Efe
Sabri Elmhedwi/Efe

Governo líbio diz que caso Lockerbie está encerrado

Conselho Nacional de Transição nega possibilidade de abrir novas investigações sobre o atentado

Reuters

26 Setembro 2011 | 18h15

LONDRES - O governo rebelde da Líbia disse nesta segunda-feira, 26, que as investigações sobre o atentado aéreo de 1988 sobre a cidade escocesa de Lockerbie estão encerradas, e que Trípoli não entregará mais provas que possam levar a novos indiciamentos.

Promotores escoceses haviam pedido ao Conselho Nacional de Transição (CNT) que permitisse o acesso a documentos ou testemunhas que pudessem levar a novos suspeitos - incluindo provavelmente o ditador líbio foragido, Muamar Kadafi. Mas o ministro interino de Justiça da Líbia, Mohammed al-Alagi, descartou essa hipótese, dizendo a jornalistas que "o caso está encerrado."

 

Abdel Basset al-Megrahi, ex-agente líbio condenado em 2001 pelo atentado que matou 270 pessoas, foi libertado em 2009 e devolvido à Líbia por razões humanitárias - ele sofria de câncer em estágio terminal.

 

Sua libertação, sua recepção como herói e o fato de ter uma sobrevivência muito maior do que os médicos previam enfureceram muita gente na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, país de origem da maioria das vítimas.

O Ministério Público escocês não se pronunciou sobre a posição do governo líbio. Antes, um porta-voz havia dito que a Escócia solicitara "qualquer evidência documental ou testemunhal que possa contribuir com os inquéritos em andamento." "Lockerbie continua sendo um inquérito aberto a respeito do envolvimento de outros com o senhor Megrahi no assassinato de 270 pessoas", disse o porta-voz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.