Governo paquistanês e insurgentes acordam troca de reféns

Quem atesta é Hussain Zada, líder da administração local, à emissora Geo TV

Efe,

27 de agosto de 2007 | 04h41

A administração política da região do Waziristão do Sul, em pleno cinto tribal paquistanês, decidiu libertar 10 insurgentes em troca dos 15 membros das forças de segurança reféns das milícias pró-talebans, informou nesta segunda-feira, 27, uma fonte oficial.   Segundo o líder da administração local, Hussain Zada, as duas partes chegaram no domingo, 26, a um acordo. Zada disse ainda à emissora Geo TV que o governo libertará "em breve" os presos. O acordo reza que após a libertação, os seqüestradores soltem os 15 seqüestrados.   As áreas tribais paquistaneses, que jamais estiveram sob completo controle do governo, são palco de duros combates e atentados por parte de militantes da Al-Qaeda e de simpatizantes talebans, sobretudo após o assalto da Mesquita Vermelha no mês passado em Islamabad.   No domingo, 26, ocorreu um violento atentado no noroeste do Paquistão. Vários suicidas a bordo de um jipe explodiram uma bomba que matou quatro policiais e deixou outros dois feridos no distrito de Shangla.   Em plena campanha de operações militares, o Exército informou na sexta-feira, 24, que em um mês morreram cerca de 250 insurgentes islâmicos e aproximadamente 60 soldados nas lutas da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.