Grupo iraniano registra voluntários para lutar contra Israel

Um grupo de clérigos iranianos linha-dura está registrando voluntários para lutar na Faixa de Gaza em resposta aos ataques aéreos israelenses que mataram ao menos 300 palestinos, informou uma agência de notícias na segunda-feira.   Veja também: Israel ataca de novo e prepara invasão de Gaza; total de mortos vai a 307 Ministro israelense defende 'guerra sem trégua' Líder do Hamas está disposto a assinar cessar-fogo em Gaza Palestinos suspendem negociação de paz durante incursão Obama acompanha ataques, mas não se pronuncia Conheça a história do conflito entre Israel e palestinosItamaraty condena 'reação desproporcional' de Israel "Desde segunda-feira a Sociedade de Clérigos Combatentes ativou seu site na Internet www.rohaniatmobarez.com em uma semana para registrar voluntários para lutar contra o regime sionista (Israel) tanto nos campos militares, financeiros ou de propaganda", afirmou a agência de notícias semi-oficial Fars. Israel está patrulhando as águas costeiras ao redor de Gaza e declarou áreas ao redor do enclave uma "zona militar fechada". O grupo iraniano linha-dura, chefiado por clérigos, diz que não é ligado ao governo e foi formado pouco depois da revolução islâmica do Irã, de 1979. O líder supremo aiatolá Ali Khamenei emitiu um decreto religioso a muçulmanos de todo o mundo no domingo, ordenando que defendam os palestinos em Gaza contra os ataques israelenses "de qualquer forma possível". Um decreto religioso é uma declaração oficial feita por um líder religioso que exige que muçulmanos executem sua mensagem. Embora não tenha força religiosa e legal o apoiando, Khamenei é respeitado por muitos iranianos e xiitas não-iranianos. O Irã recusa-se a reconhecer Israel, que acusa Teerã de abastecer integrantes do Hamas com armas. O Irã nega a acusação, dizendo que fornece apenas apoio moral ao grupo. Israel disse que os ataques, que mataram 307 palestinos, foram lançados em resposta a disparos quase diários de foguetes e morteiros a partir da Fixa de Gaza, governada pelo Hamas, após o final do cessar-fogo de seis meses de duração, declarado há uma semana. A agência Fars afirmou que o grupo linha-dura organiza os voluntários com um documento de registro chamado "Formulário de registro para enviar voluntários a Gaza". Segundo a agência, mais de 1.100 pessoas já se registraram para o serviço militar contra Israel. No domingo, Khamenei disse que quem fosse morto na luta para defender os palestinos seria "considerado um mártir". O Irã enviará a primeira embarcação levando ajuda para a Faixa de Gaza na segunda-feira, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hassan Qashqavi. "O Irã enviou seu primeiro avião carregado de ajuda, incluindo medicamentos, para Gaza no domingo. O segundo carregamento está prestes a ser enviado", disse Qashqavi a repórteres na segunda-feira. "O primeiro avião chegou ao Egito na noite passada." Israel, que patrulha as águas costeiras ao redor de Gaza, intensificou o bloqueio à Faixa de Gaza há dois anos, depois que o Hamas venceu uma eleição parlamentar. Dezenas de milhares de iranianos protestaram na segunda-feira para condenar os ataques israelenses na Faixa de Gaza, iniciados com ataques aéreos no sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.