Grupo ligado à Al-Qaeda assume autoria de ataques em Bagdá

Em comunicado, facção diz que promoveu atentados que deixaram pelo menos 155 mortos e mais de 500 feridos

Reuters, Efe e Associated Press,

27 de outubro de 2009 | 07h36

Um grupo ligado à Al-Qaeda disse que foi o responsável pelas duas explosões quase simultâneas que deixaram ao menos 155 mortos em Bagdá e mais de 500 feridos no domingo. Um comunicado com data de 26 de outubro foi publicado pelo grupo Estado Islâmico no Iraque em um site na Internet normalmente utilizado por militantes para anunciar a autoria de ataques desse tipo.

 

Veja também:

Análise: Estratégia no Iraque era 'exemplo' para o Afeganistão

especial Guerra do Iraque: do início ao início do fim

especial As principais ações suicidas a serviço do terror

 

O texto empregou uma linguagem normalmente utilizada por militantes sunitas para descrever a maioria xiita que domina o governo do Iraque desde a invasão militar liderada pelos Estados Unidos em 2003. "Entre os alvos escolhidos estavam o ministério da opressão, conhecido como Ministério da Justiça, e a assembleia regional de Bagdá... Os inimigos entendem apenas a linguagem da força", disse o comunicado. A autenticidade do comunicado não pôde ser imediatamente confirmada.

 

No domingo passado, dois caminhões-bomba explodiram em frente ao edifício do governo de Bagdá e nas proximidades do ministério, deixando o maior número de mortos em um atentado nos últimos dois anos. Autoridades afirmam que dois veículos foram usados nos ataques de domingo, infringindo uma regra que proíbe a circulação de veículos grandes no fortemente policiado centro de Bagdá. Os dois veículos eram dirigidos por suicidas que partiram de uma localidade próxima, de acordo com imagens aéreas obtidas de aeronaves operadas pelos EUA que cobrem o espaço aéreo sobre a cidade. Como os veículos utilizados na ação passaram por várias barreiras policiais, o governo disse que abrirá uma investigação interna na polícia.

 

A nota, assinada pelo "Ministério da Informação do Estado Islâmico do Iraque", assegura que com os atentados de domingo "se inaugura a segunda fase" do que chamam de "o plano da colheita do bem". O Estado Islâmico do Iraque, criado em outubro de 2006, é uma organização da qual fazem parte oito grupos armados iraquianos e está diretamente vinculada com a Al-Qaeda, dirigida por Osama bin Laden.

 

O mesmo grupo disse em agosto que era o responsável por ataques próximos a prédios dos ministérios em Bagdá, matando 95 pessoas. O ataque do fim de semana despertou novos temores sobre a segurança no Iraque durante os preparativos para a eleição de janeiro, enquanto as forças norte-americanas se preparam para deixar totalmente o país até o fim de 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.