Grupo só negocia cessar-fogo e abertura, diz Hamas

De acordo com integrante do Hamas, qualquer outro tema político ficaria para ser discutido posteriormente

Efe

31 de dezembro de 2008 | 17h59

O representante do Hamas no Líbano, Osama Hamedan, afirmou nesta quarta-feira, 31, que, no momento, o movimento islâmico só aceitaria negociar um cessar-fogo em Gaza e a abertura das passagens fronteiriças.   Veja também: Israel coloca vídeos de ataques no YouTube  Israel nega sugestão de trégua de 48 horas na Faixa de Gaza Militares israelenses sugerem trégua em Gaza Em Curitiba, palestino não pode voltar para casa  Lula: ONU não tem coragem para pôr paz em Gaza  Egito recusa abertura da fronteira com a Faixa de Gaza Israel rejeita trégua e diz que esta é 'só a 1ª fase' UE pede a Israel e Hamas que suspendam ataques   Lapouge: Israel quer restabelecer orgulho militar   Sete mil se alistam no Irã para atentados suicidas contra Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Veja imagens de Gaza após os ataques      De acordo com integrante do Hamas, qualquer outro tema político ficaria para ser discutido posteriormente.   A Faixa de Gaza, controlada pelo movimento islâmico, está sendo bombardeada por Israel desde sábado.   Hamedan, que participou de uma manifestação de solidariedade a Gaza no sul do Líbano, criticou os que declaram que abrir a passagem de Rafah, entre Egito e a faixa territorial, vá dividir os palestinos.   A passagem fronteiriça de Rafah é a única que une o Egito com Gaza. O Governo do Cairo a mantinha aberta apenas por razões humanitárias, mas decidiu fechá-la depois que o Hamas, em junho de 2007, ocupou a Faixa de Gaza à força.   Hamedan também manifestou seu pesar pelo fato de os árabes, até agora, terem descartado convocar uma cúpula para analisar a crise na região, onde quase 400 palestinos já perderam a vida nos bombardeios israelenses.   "O motivo essencial desta cúpula é deter a agressão israelense e abrir os pontos de passagem", afirmou o representante do Hamas em declarações reproduzidas pela imprensa libanesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.