Grupos armados entram em confronto perto de aeroporto de Trípoli

Um comboio transportando um dos mais importantes líderes militares da Líbia esteve envolvido em um tiroteio entre grupos armados rivais durante a noite, próximo ao aeroporto internacional de Trípoli, disseram comandantes de milícias locais neste domingo.

ALI SHUAIB, REUTERS

11 de dezembro de 2011 | 14h17

Foi o mais recente de uma série de confrontos entre milícias rivais que, na ausência de um governo central efetivo, exercem poder nas ruas da Líbia desde que uma revolta derrubou o ex-líder Muammar Gaddafi.

Dois comandantes disseram que os confrontos começaram quando um veículo transportando Khalifa Haftar, que ajudou a liderar a luta pelo fim do governo de Gaddafi, se aproximou de um posto de controle a cerca de 3 quilômetros do aeroporto, onde milicianos de fora de Trípoli estavam mantendo guarda.

"Khalifa Haftar e seu comboio chegaram ao posto de controle e não responderam ao pedido para parar", disse à Reuters o coronel Mukhtar Fernana, afirmando que sua milícia estava no local dos confrontos.

"Quando eles (os homens que estavam no posto de controle) tentaram parar o comboio, os guardas de Haftar abriram fogo e feriram duas pessoas", afirmou.

Ele disse que o grupo de Haftar então foi perseguido até o acampamento militar próximo de Hamza, usado pelas suas forças como base, e um segundo tiroteio irrompeu no local. Um segundo comandante da milícia, Abdullah Mohammed Attroudi, confirmou o relato.

Haftar integrou um grupo de oficiais militares da Líbia responsável pelo golpe de 1969 que levou Gaddafi ao poder. Posteriormente, ele entrou em desacordo com o líder líbio, e passou os últimos 20 anos morando nos Estados Unidos.

Haftar retornou à sua cidade natal, Benghazi, no leste da Líbia, quando a revolta começou em fevereiro deste ano, e foi um dos comandantes das forças contrárias a Gaddafi no leste do país.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIATRIPOLICONFRONTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.