Guarda iraniana promete 'onda de resistência' contra inimigos

Militares acusam Ocidente de planos conspiratórios contra o Irã e ameaçam com possível ofensiva

Agências internacionais,

23 de novembro de 2007 | 10h29

O chefe da Guarda Revolucionária do Irã, general Mohammed Ali Jafari, alertou nesta sexta-feira, 23, que os militares preparam uma grande onda de resistência caso os inimigos da nação iraniana insistam em conspirar contra a instituição.  Jafari falou no dia do aniversário da fundação do grupo paramilitar Basij e num momento particularmente tenso entre o Irã e o Ocidente, por conta do desenvolvimento do programa nuclear iraniano.  "O oceano da nação iraniana pode parecer calmo algumas vezes, mas pode ficar tempestuoso e criar tsunamis", disse Jafari durante as orações desta sexta na Universidade de Teerã. "Os inimigos deveriam saber que se a nação iraniana aparenta paciência sobre as conspirações e pressões, é apenas a calmaria antes da tempestade". "Se os líderes supremos ordenarem, os membros da Basij estarão prontos para responder aos inimigos". Potências ocidentais lideradas pelos Estados Unidos afirmam que o objetivo do Irã com o programa é construir armas de destruição em massa. Teerã rejeita a acusação, e defende-se argumentando que suas atividades buscam permitir com que o país torne-se auto-sustentável na produção de energia nuclear. Em seu último relatório técnico sobre o Irã, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou avanços no esclarecimento sobre o passado do programa, mas criticou a falta de cooperação ativa, e ratificou que o país já dispõe de 3 mil centrífugas para enriquecer urânio, três vezes mais que no começo de agosto. As centrífugas estão funcionando abaixo da sua capacidade, mas esse número de máquinas tem a capacidade de produzir urânio enriquecido em nível industrial, com a possibilidade de purificar material suficiente para uma bomba nuclear em 18 meses caso passe a operar plenamente, segundo o relatório da AIEA.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãGuarda Revolucionária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.