Guarda Revolucionária do Irã deve testar quatro mísseis de cruzeiro

Testes fazem parte de exercícios militares no Golfo Pérsico e no Estreito de Ormuz

24 de abril de 2010 | 17h38

Efe

 

TEERÃ- A Guarda Revolucionária iraniana deve testar no domingo quatro mísseis terra-mar "de fabricação nacional e maior precisão", anunciou neste sábado, 24, um oficial das Forças Armadas iranianas.

 

Veja também:

linkGuarda Revolucionária iraniana está na América Latina, diz Pentágono

linkIrã inicia treinamento militar no Golfo Pérsico, diz canal estatal  

 

Segundo o almirante Morteza Saffari, a prova será realizada como parte das manobras que a Guarda Revolucionária está fazendo desde quinta-feira no Golfo Pérsico e no Estreito de Ormuz.

 

O almirante especificou que os projéteis pertencem à chamada classe "Nasser", um míssil de cruzeiro e alcance curto que pode ser lançado tanto de bases em terra como de uma embarcação bélica.

 

Forças navais, terrestres e aéreas da Guarda Revolucionária iniciaram na quinta-feira uma série de manobras militares no estreito de Ormuz, uma das principais vias de passagem de petróleo e gás do mundo.

 

O Irã está submetido a um embargo armamentista desde a década de 1980, o que não evitou, no entanto, que tenha desenvolvido um programa bélico próprio que lhe permitiu modernizar seu Exército e dotá-lo inclusive de mísseis de médio alcance que supostamente podem alcançar alvos a cerca de dois mil quilômetros de distância.

 

Grande parte da comunidade internacional, com os Estados Unidos à frente, acusa o regime dos aiatolás de ocultar sob seu programa civil outro de natureza clandestina e ambições bélicas cujo objetivo seria adquirir um arsenal atômico, alegação que Teerã nega.

 

Há vários meses, o governo americano desenvolve uma nova rodada de sanções internacionais para frear a controvertido programa nuclear iraniano, mas até o momento topou com a negativa de países como China, que faz parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.