Guerra no Iraque foi difícil, mas necessária, diz Bush

Presidente fez visita surpresa ao Iraque, última antes do fim de seu mandato, dia 20 de janeiro

Associated Press,

14 de dezembro de 2008 | 12h08

O presidente norte-americano, George W. Bush, chegou de surpresa neste domingo, 14, ao Iraque, e disse que "a guerra foi difícil, mas necessária para proteger os EUA e dar ao Iraque a esperança de um futuro pacífico".   Há apenas 37 dias antes de entregar a guerra no país a Barack Obama - que já afirmou que colocará um fim ao conflito -, George W. Bush defendeu a guerra, que já dura seis anos. "O trabalho não tem sido fácil, mas necessário para a segurança norte-americana, para a esperança no Iraque e para a paz mundial", disse. "Estou muito grato por ter tido a chance de voltar ao Iraque antes do meu mandato presidencial terminar."   Depois de se reunir com o presidente iraquiano Jalal Talaban, sentado ao lado dele e dos dois vice-presidentes, Bush disse: "Conheço esses homens há algum tempo e comecei a admirá-los por sua coragem e determinação em serem bem sucedidos".   O Air Force One, o avião do presidente, aterrissou no Aeroporto Internacional de Bagdá no começo da noite (horário local), depois de uma decolagem secreta de Washington no sábado. Em um sinal de um pouco de segurança em meio à zona de guerra, Bush foi recebido com uma cerimônia formal, gesto que não fez parte de suas últimas três viagens ao país.   Com o objetivo de celebrar o novo acordo de segurança entre Washington e Bagdá, que pavimentou o caminho para que as forças armadas dos Estados Unidos deixem o país até o final de 2011, o presidente planejou uma série de encontros com líderes iraquianos e oficiais norte-americanos situados no Iraque.   O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Stephen Hadley, afirmou que o acordo é "um documento memorável - único no mundo árabe já que foi debatido publicamente e adotado por um Parlamento eleito".   Hadley afirmou que a viagem "mostra que nós estamos nos movendo para uma relação diferente... com os iraquianos exercendo uma maior soberania e os Estados Unidos um papel cada vez mais coadjuvante."   Esta é a última viagem de Bush à zona de guerra antes de o presidente eleito Barack Obama assumir o cargo em 20 de janeiro. A mais recente visita do presidente ao Iraque havia sido há 12 meses, em setembro de 2007. A breve visita pode ser um marketing dos ganhos em termos de segurança, mas também mostra o peso da decisão pela guerra no legado do presidente republicano.    A Guerra do Iraque deixou de ser a maior preocupação dos norte-americanos, com o avanço da recessão econômica, mas pesquisas mostram que a maioria das pessoas considera a guerra um erro.   (com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
George W. BushIraqueGuerra do Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.