Hamas ameaça realizar mais ataques após morte de quatro israelenses

Quatro colonos judeus morrem na Cisjordânia; outro grupo palestino também reivindica ataque

REUTERS

31 de agosto de 2010 | 17h42

O braço armado do Hamas, a Brigada al-Qassam, afirmou nesta terça-feira, 31, que vai realizar mais operações depois de assumir a responsabilidade por um tiroteio que matou quatro israelenses na Cisjordânia. A Brigada dos Mártires de Al-Aqsa - grupo radical ligado ao Fatah, que governa a Cisjordânia, também reivindicou o ataque.

Veja também:

especial Infográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

"Este ataque é um em uma série de ataques, alguns estão sendo executados, e outros seguirão", afirmou Abu Ubaida, porta-voz do grupo, à Reuters.

A reivindicação vai contra sinais anteriores do Hamas de que o grupo não apoia ataques de militantes contra Israel após a operação Chumbo Fundido em Gaza, que terminou com 1.400 palestinos mortos, em sua maioria civis, entre 2008 e 2009.

 

O grupo islâmico que controla a faixa condena as negociações de paz que serão relançadas daqui a dois dias em Washington e não participará delas.

 

Segundo o Hamas, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que controla a Cisjordânia, é "um traidor" por tentar um acordo de paz com os israelenses.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDHAMASAMEACA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.