Hamas anuncia interrupção em negociações sobre Shalit

Palestinos deixam negociações com Israel sobre libertação de soldado capturado em 2006

Reuters

04 de julho de 2008 | 13h47

O movimento islâmico Hamas anunciou nesta sexta-feira, 4, que suspendeu as negociações indiretas com Israel sobre uma possível troca de prisioneiros pelo soldado israelense Gilad Shalit, capturado pelos palestinos em 2006. O motivo seriam "violações" israelenses na trégua declarada na Faixa de Gaza.  Os líderes do Hamas acusam Israel de adiar a implementação do acordo da trégua, que inclui um aumento gradual na entrada de produtos e alimentos no território. Israel fechou as fronteiras com Gaza e suspendeu o envio de produtos em resposta a ataques com foguetes pouco depois de declarada a trégua, no mês passado. Funcionários do Hamas deviam viajar para o Cairo neste final de semana para participar de conversações mediadas pelo Egito para a libertação de Gilad Shalit em troca de prisioneiros palestinos encarcerados em Israel. O Hamas, no entanto, já avisou que não enviará uma delegação ao encontro.  O Hamas buscava a libertação de cerca de 1.400 prisioneiros, um terço deles condenados a penas longas, em troca da libertação de Shalit, a que os militantes seqüestraram em 2006.  "O Hamas decidiu suspender as negociações em relação ao caso Shalit devido à falta de compromisso sobre o acordo de trégua", disse à agência Reuters um membro do Hamas, que completou: " Não há modo de que essas conversações comecem antes que as obrigações da trégua sejam implementadas por Israel". O porta-voz do primeiro-ministro de Israel, Mark Regev, disse que parte do acordo de cessar-fogo implicava em um esforço para libertar Shalit por parte dos palestinos. Israel respondeu a sucessivos ataques de foguetes vindos de Gaza com o fechamento das fronteiras com a região. A Faixa de Gaza é controlada pelo Hamas há um ano. As fronteiras foram fechadas na última terça-feira, mas foram reabertas nesta sexta-feira. Geralmente, são fechadas aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.