Hamas espera retome negociação para soltar soldado de Israel

Israel acusa grupo de endurecer exigências para libertação de Shalit; discussões terminam sem acordo

Agências internacionais,

17 de março de 2009 | 09h08

O grupo islâmico Hamas afirmou nesta terça-feira, 16, esperar que Israel retome as conversações sobre a troca de centenas de prisioneiros palestinos por um soldado israelense mantido refém pelo grupo, depois de dois dias de negociações indiretas no Egito e que terminaram em ponto morto.

 

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, exige a liberdade de Gilad Shalit, capturado em junho de 2006 por militantes palestinos, como uma pré-condição para uma trégua mais ampla em Gaza e a suavização do bloqueio à região, alvo de uma ofensiva israelense entre dezembro e janeiro que deixou mais de 1,4 mil palestinos mortos.

 

Olmert faz seu último esforço pela libertação de Shalit antes de entregar o poder ao líder da direita Benjamin Netanyahu, designado pelo presidente para tentar formar um governo de coalizão após as eleições israelenses. "Espero que Olmert escute a voz da razão e continue as conversações para alcançar um acordo cumprindo nossas condições", afirmou Osama Hamdan, um dos altos representantes do Hamas no Líbano. "Porém, se o governo israelense mantiver sua posição negativa, não será possível alcançar um acordo, pelo menos neste momento".

 

Na segunda-feira, o governo de Israel acusou o Hamas de endurecer sua posição nas negociações para a troca de prisioneiros palestinos pelo soldado israelense, aumentando suas demandas nas negociações e voltando atrás em pontos que já haviam sido acordados. Em troca de Shalit, o Hamas exige a libertação de 1.400 presos palestinos.

 

O primeiro-ministro israelense deve fazer uma reunião especial com seu gabinete nesta terça-feira para discutir como prosseguir nas negociações. Segundo a BBC, Olmert fez da questão da libertação do soldado uma das bandeiras de seu governo, mas ele agora tem apenas mais algumas semanas no cargo antes de ser substituído, nas próximas semanas.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosGilad Shalit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.