Hamas interrompe negociação sobre prisioneiros com Israel

Entre os israelenses presos pelo grupo está o soldado Gilad Shalit, detido há mais de um ano pela facção islâmica

Efe,

31 Julho 2007 | 09h56

O movimento islâmico Hamas informou nesta terça-feira, 31, que as conversas com Israel para uma troca de prisioneiros entre as partes "estão bloqueadas". Osama al-Mzeini, um dos dirigentes do movimento na Faixa de Gaza, disse à imprensa que Israel e Egito pediram retomar os contatos para trocar o soldado israelense Gilad Shalit por presos palestinos.   Shalit foi capturado por três milícias palestinas em 25 de junho de 2006 e, desde então, as duas partes tentam definir uma troca com a mediação do Egito. Os seqüestradores exigem a libertação de 1.450 palestinos, entre eles cerca de 450 mulheres e menores de idade.   A troca solicitada pelo Hamas teria duas fases: primeiro, seriam libertados 450 presos e, depois, outros mil. Entre ambas, Shalit seria devolvido a Israel.   As divergências entre as partes surgem aparentemente tanto no número de presos que Israel deverá deixar em liberdade como em sua identidade.   "O movimento Hamas reitera as condições para libertar Shalit. Não vamos fazer mais concessões, mas poderíamos elevar nossas exigências", disse Mzeini.   O dirigente se justificou dizendo que, desde o início das negociações, há mais presos palestinos em prisões israelenses: 12.000, em vez de 10.000.

Mais conteúdo sobre:
Hamas Gilad Shalit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.