Hamas liberta 35 membros do rival Fatah na Faixa de Gaza

Foram libertados alguns líderes do grupo na região para marcar feriado muçulmano e reforçar mediação egípcia

Reuters e Efe,

28 de setembro de 2008 | 10h48

Forças de segurança do Hamas libertaram 35 membros do movimento rival Fatah da prisão neste domingo, 28, como um gesto de boa vontade para marcar o feriado muçulmano e reforçar os esforços egípcios de reconciliação, informou um oficial do grupo extremista. Entre os libertados estão o governador de Gaza, Mohammed al-Qidwa, o porta-voz do Fatah no território, Hasem Abu Shanab, e o ex-intendente da localidade de Beit Lahia, no norte da Faixa, Muhamad al-Masri. "Prisões políticas em toda a área de autoridade palestina devem ser finalizadas", disse Qidwa após deixar a prisão. O Hamas descreve os homens do Fatah em sua custódia como criminosos comuns e nega realizar grande parte das prisões por motivos políticos. O porta-voz do Ministério do Interior do Hamas em Gaza, Ehab el-Ghsain, afirmou que os presos foram libertados para marcar o feriado de Eid el-Fitr, que celebra o fim do Ramadã, e para reforçar a medição do Egito nas negociações entre os grupos extremistas. O porta-voz do Ministério do Interior em Gaza, Ihab al-Gusein, qualificou a libertação dos prisioneiros como "um passo positivo que demonstra que o Hamas está interessado em finalizar a situação de ruptura política" dentro dos territórios palestinos. O Fatah afirmou o Hamas prendeu centenas de seus homens na Faixa de Gaza desde a tomada de controle e, pelo menos, 150 ainda estão na cadeia. Já o Hamas disse que cerca de 300 dos seus membros foram detidos pelo Fatah ao longo do último ano e que aproximadamente metade ainda continua em custódia.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasFatahFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.