Hamas pede que navio de ajuda líbio não desista de chegar a Gaza, diz jornal

Grupo militante palestino quer que mais frotas humanitárias sejam realizadas 'por terra e mar'

estadão.com.br

14 de julho de 2010 | 11h28

JERUSALÉM - O Hamas pediu nesta quarta-feira, 14, que os ativistas a bordo de um barco líbio que leva ajuda humanitária a Gaza não desistam e tentem furar o bloqueio imposto por Israel contra o território palestino, apesar de os militares israelenses terem interceptado a embarcação e exigido que ela rumasse para um porto no Egito. As informações são do jornal israelense Ha'aretz.

 

Veja também:

linkNavio de ajuda da Líbia é desviado para o Egito

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

"Os comboios devem continuar por terra e pelo mar. Esperamos poder confiar nas nações islâmicas para lutar contra o bloqueio", disse Ismail Haniyeh, líder do grupo militante palestino que controla a Faixa de Gaza. Ele também pediu que mais frotas de ajuda sejam enviadas a Gaza.

 

O barco líbio, patrocinado por uma ONG do filho do líder Muamar Kadafi, partiu da Grécia para Gaza no sábado. Na terça, porém, a embarcação foi interceptada pelos militares israelenses e impedida de chegar a Gaza. O rumo do navio foi alterado para o porto de el-Arish, no Egito.

 

Israel acompanha a rota do navio, mas está sob pressão desde o dia 31 de maio, quanto os militares israelenses atacaram uma frota turca que rumava para Gaza e deixaram nove ativistas mortos, o que gerou grande repercussão internacional e um debate sobre o bloqueio imposto a Gaza.

 

Autoridades no porto de el-Arish disseram ter recebido instruções para se preparar para a chegada do Almathea, nome do barco líbio, que leva cerca de 2 mil toneladas de alimentos e remédios. Segundo os militares israelenses, o capitão do navio confirmou que estava navegando em direção ao porto, embora organizadores da missão disseram que não vão desistir de chegar a Gaza.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelLíbiaGazaNavioBloqueio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.