Hamas propõe 'trégua' com Israel em Gaza e Cisjordânia

Grupo palestino concorda em 'apaziguar a situação' por seis meses na região sob intermédio do Egito

Efe,

24 de abril de 2008 | 18h01

O Hamas concordou nesta quinta-feira, 24, em "apaziguar a situação na Faixa de Gaza" para, depois, estender "a calma" à Cisjordânia, disse Mahmoud Zahar, representante do movimento islâmico e líder de uma delegação que visita o Egito. Segundo a agência oficial de notícias Mena, Zahar, ex-ministro de Assuntos Exteriores da Autoridade Nacional Palestina (ANP), disse em entrevista coletiva que seu grupo, sob mediação do Egito, está disposto a "apaziguar" a situação em Gaza no âmbito de um "pacto nacional palestino" e a estender "a calma" à Cisjordânia ao longo dos próximos seis meses.   Veja também: Bush encontra Abbas e reafirma acordo de paz até o fim do ano Israel teria acordo com os EUA sobre assentamentos, diz jornal   "O movimento concorda sobre acalmar a situação na Faixa de Gaza, fixado em seis meses, durante o período no qual o Egito trabalhará para estender a paz à Cisjordânia", disse Zahar, lendo um comunicado do Hamas.   As declarações foram feitas pouco depois de a delegação do Hamas ter tido uma reunião com o chefe do serviço secreto egípcio, Omar Suleiman, na qual as partes avaliaram a postura definitiva do movimento em relação ao plano proposto pelo Egito para mediar os contatos entre palestinos e israelenses.   Até o momento, nenhuma outra informação sobre o encontro foi repassadas aos jornalistas. Tanto as autoridades egípcias como os representantes do Hamas evitaram o tempo todo o uso da palavra "trégua", preferindo o emprego da expressão "acalmar a situação."   Na manhã desta quinta-feira, a ONU disse que terá de suspender o trabalho humanitário em Gaza por causa do boicote israelense, que impede o fornecimento de combustível ao território.   Casa Branca   Ainda nesta quinta-feira, o presidente americano, George W. Bush, se encontrou com o líder palestino Mahmoud Abbas, na Casa Branca, para discutir o processo de paz no Oriente Médio. Os dois líderes reafirmaram o compromisso com o processo de paz, e Bush disse estar confiante de que israelenses e palestinos podem chegar a um acordo para definir a criação de um Estado palestino.    (Com BBC Brasil)  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.