Hamas quer nova liderança para palestinos

O grupo islâmico Hamas quer uma nova liderança para os palestinos que substitua a Organização para Libertação da Palestina (OLP), dirigida por seu arqui-rival, o presidente Mahmoud Abbas, e facções leais a ele. Declarando vitória na guerra devastadora com Israel na qual 100 palestinos morreram para cada israelense morto, o grupo militante está retomando o controle da faixa e o posto de desafio central ao moderado Abbas. Milhares de partidários do Hamas participaram de manifestações em Gaza na sexta-feira em apoio à convocação para abolir a OLP, feita há dois dias pelo líder do grupo no exílio, Khaled Meshaal. Meshaal defende a formação de uma nova organização para representar os palestinos em Gaza, na Cisjordânia e na diáspora. A proposta dele ecoou em declarações similares feitas à multidão na sexta-feira vindas de um importante líder político do Hamas, Khalil al-Hayya. Na primeira aparição pública de um importante líder do Hamas em Gaza desde que Israel atacou em 27 de dezembro, Hayya afirmou que a OLP está "morta" e foi enviada ao "necrotério" pelos próprios fundadores da organização. "Já é hora de o povo palestino ter uma nova liderança. Estamos nos movimentando para abrigar as causas dos refugiados e de Jerusalém. Não vamos abrir mão de nossos direitos", disse ele. "Já é hora de nosso povo ver uma liderança nova e sábia que mantenha a resistência e o rifle." O Hamas, que governa 1,5 milhão de palestinos que vivem na Faixa de Gaza, compromete-se a lutar contra o Estado de Israel, o qual não reconhece. Abbas, que tem apoio do Ocidente, busca criar um Estado palestino que conviva de forma pacífica com Israel. Ele governa a Cisjordânia, que está ocupada pelos israelenses, onde moram 2,5 milhões de palestinos. Ele também chefia a OLP. Abbas acusa Meshaal de tentar "derrubar uma estrutura construída há 44 anos." "Se ele quisesse derrubar o templo, ele não seria capaz de fazê-lo, porque nenhum palestino nem qualquer outro ficaria do lado dele", disse Abbas a repórteres em Rammalah, onde a facção Fatah está estabelecida. A Fatah é a maior das 11 facções que formam a OLP, que assinou uma série de acordos de paz com Israel desde 1993 com o objetivo de estabelecer um Estado palestino. Abbas partia na sexta-feira para uma série de visitas a capitais européias, em busca de ajuda diplomática para garantir um cessar-fogo duradouro em Gaza e a reconstrução pós-guerra da faixa, assim como apoio aos mediadores egípcios visando reconciliar Fatah e Hamas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.