Hamas rejeita pedido de Hillary para que reconheça Israel

Secretária de Estado dos EUA sugeriu que, em troca, Hamas fosse reconhecido como representante palestino

EFE

28 de fevereiro de 2009 | 13h51

O Hamas rejeitou neste sábado o pedido da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, para que reconheça o direito de Israel a um Estado e, em troca, seja reconhecido como representante do povo palestino.   Veja também: Hillary Clinton defende criação de Estado palestino 'viável' Hamas 'brinca com fogo' ao lançar foguetes, afirma Israel Linha do tempo dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  História do conflito entre Israel e palestinos  Imagens das crianças em meio à destruição em Gaza        "É uma intromissão inaceitável nos assuntos internos palestinos", disse à imprensa o porta-voz do Hamas em Gaza, Ismail Radwan, em resposta à solicitação da ex-primeira-dama.   Segundo a secretária de Estado, que na segunda-feira inicia uma viagem oficial à região, para ser aceito pela comunidade internacional o Hamas precisa cumprir as três condições que lhe foram impostas em 2006 pelo Quarteto de Madri (EUA, Rússia, ONU e UE): reconhecer Israel, aceitar os acordos de paz assinados e abandonar a luta armada.   Radwan respondeu hoje que o "Hamas permanecerá irredutível em sua postura de não reconhecer Israel e (de não aceitar) as condições do Quarteto".   Em entrevista concedida ontem à rádio "Voice of America", a chefe da diplomacia americana também disse que os Estados Unidos "ainda estão comprometidos com uma solução de dois Estados", aprovada na conferência de Annapolis, realizada em novembro de 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.