Hamas reúne milhares em manifestação contra cúpula nos EUA

Um morre e 15 são feridos em protesto na Cisjordânia; ex-premiê palestino afirma que não há acordo com Israel

Agências internacionais,

27 de novembro de 2007 | 11h10

A polícia palestina impediu nesta terça-feira, 27, uma manifestação em Ramallah, na Cisjordânia, em protesto contra a realização da conferência internacional de paz de Annapolis,. Uma pessoa foi morta e outras 15 ficaram feridas em choque com policiais palestinods. Em Gaza, o Hamas reuniu milhares de seus seguidores com o mesmo objetivo.   Veja também: Participação do Brasil em Annapolis é 'começo' Entenda a conferência de paz de Annapolis  Cronologia das negociações de paz entre Israel e palestinos   Os protestos aconteceram no mesmo dia em que o primeiro-ministro deposto da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ismail Haniyeh, condenou a participação dos representantes árabes "pela primeira vez ao lado do governo sionista" e afirmou que o encontro será um fracasso.   Testemunhas relataram que centenas de ativistas pretendiam se concentrar na praça principal de Ramallah para expressar sua oposição à conferência. Agentes policiais da Autoridade Nacional Palestina (ANP) impediram a manifestação.   Segundo as fontes, entre os participantes havia ativistas do partido Fatah, liderado pelo presidente da ANP, Mahmoud Abbas, que está em Annapolis à frente da delegação palestina.   Na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas desde junho, o Hamas conseguiu reunir milhares de seus seguidores para protestar contra a conferência. A principal manifestação saiu de manhã da Universidade Islâmica com centenas de alunos que caminharam pelas ruas da Cidade de Gaza até a sede do Conselho Legislativo Palestino.   Haniyeh afirmou ser contrário "a toda normalização (nas relações com Israel), por vínculos diretos ou indiretos", em alusão aos representantes do mundo árabe e islâmico na Conferência. Ele ainda acusou o presidente palestino, Mahmoud Abbas, de ter "calado a boca" de seus rivais políticos ao ordenar a proibição de manifestações políticas na Cisjordânia por ocasião da Conferência. Em Hebron (Cisjordânia), o prefeito da cidade vetou, em particular, uma manifestação anunciada pelo grupo extremista muçulmano Hibz U-Tahrir.   O ex-premiê pediu que os representantes da Liga Árabe em Annapolis não se tornem "falsas testemunhas dessa reunião sem esperança", e que seus governos "aumentem os esforços para que seja levantado o lugar do povo palestino e o ajudem com dinheiro e equipamentos".   Em junho, a milícia do Hamas expulsou os organismos de segurança da ANP, cujos soldados são filiados ao movimento nacionalista Fatah, e Haniyeh assumiu o controle da Faixa de Gaza mas foi oficialmente deposto pelo presidente Abbas.   Matéria ampliada às 13h05.

Tudo o que sabemos sobre:
GazaHamasIsraelEUAConferência da Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.