Hamas se recusa a organizar eleições de janeiro em Gaza

Partido islâmico afirma que rival Fatah convocou o pleito sem consenso e que o fez sem direito

Efe,

28 de outubro de 2009 | 11h28

O governo do Hamas na Faixa de Gaza anunciou nesta quarta-feira, 28, que se recusará a organizar as eleições de 24 de janeiro convocadas pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e líder do Fatah, Mahmoud Abbas, porque foram decretadas sem consenso com o partido extremista.

 

Em comunicado, o Ministério do Interior do Executivo islâmico ressalta que a chamada às urnas "procede de alguém que não tem o direito" a isso, em referência a que o mandato presidencial terminou tecnicamente em janeiro deste ano, embora Abbas se mantenha no cargo.

 

O ministério também rejeita a convocação de eleições legislativas e presidenciais, já que foram decretadas, na sexta-feira passada, sem um acordo prévio de reconciliação com o Fatah, que mediadores egípcios tentavam conseguir há mais de um ano. A nota adverte, inclusive, que interrogará quem participar do pleito.

 

O Hamas controla a Faixa de Gaza desde junho de 2007 e a ANP de Abbas exerce seu poder na Cisjordânia, por isso permanece a incógnita de como acontecerão as eleições no primeiro território.

 

Nesta semana, o Centro Palestino pelos Direitos Humanos, com sede em Gaza, reconheceu, em comunicado, que a convocação de Abbas era legal, mas a considerou um erro, porque aprofunda a brecha entre os dois principais movimentos palestinos.

 

O deputado do Hamas Yahia Moussa disse que seu movimento impedirá que o Comitê Central Eleitoral prepare o pleito em Gaza. "O decreto de Abbas de convocação de eleições sem acordo nacional é, na prática, inútil, ilegal e inconstitucional, por isso tudo que vier por causa desse decreto também será inútil", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasFataheleiçõesGazaPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.