Hamas suspende negociação para trocas de prisioneiros com Israel

O Hamas disse na sexta-feira que vaisuspender as negociações indiretas de troca de presos comIsrael, citando violações israelenses da trégua declarada emGaza. Os líderes islâmicos do Hamas acusaram Israel de ser muitodevagar na implementação de um acordo de trégua que incluiriaum aumento gradual da passagem de mercadorias pela Faixa deGaza. Israel fechou brevemente suas fronteiras e suspendeu oscarregamentos como resposta aos ataques de foguetes feitos porpalestinos depois que o cessar-fogo começou, no mês passado. Autoridades do Hamas deviam viajar ao Cairo neste fim desemana para as conversas mediadas pelo Egito, que tinham oobjetivo de libertar o soldado israelense Gilad Shalit, emtroca de palestinos presos em Israel. O Hamas quer que cerca de 1.400 prisioneiros sejamlibertados, um terço deles condenados a prisão perpétua, emtroca da liberdade de Salit, sequestrado pelo Hamas e por doisoutros grupos militantes em uma ataque à fronteira, em 2006. "O Hamas decidiu suspender as negociações do caso Shalitpor causa do não-comprometimento de Israel com o acordo depaz", disse Sami Azbu Zuhri, autoridade do Hamas, à Reuters. "Não há como começar estas conversas antes que asobrigações de paz sejam implementadas (por Israel)", disse. Autoridades do Hamas disseram ter recebido um convite paravisitar o Cairo, mas afirmaram que "nada foi feito para que umadelegação do Hamas parta logo". Mark Regev, autoridade do governo israelense, disse queparte do acordo de cessar-fogo dizia que os esforços paralibertar Shalit teriam de continuar. Regev não quis dar maisdetalhes. Israel respondeu aos foguetes fechando as fronteiras usadaspara levar suprimentos a Gaza, tomada pelo Hamas das mãos doFatah, grupo do presidente Mahmoud Abbas, há um ano. As fronteiras foram fechadas também na terça-feira depoisde um ataque de foguete semelhante, mas foram reabertas naquarta. Essas áreas costumam ser fechadas no fim de semana, dofim de sexta à manhã de domingo. "Como podemos negociar um segundo acordo antes que oprimeiro seja implementado?", disse à Reuters Osama al-Muzaini,importante autoridade do Hamas envolvida nas negociações deShalit. Israel disse que quer avançar nas conversas sobre Shalit eque a decisão do Hamas pode influenciar as conversas sobre aabertura da fronteira de Rafah, com o Egito -- o que, segundoIsrael, só pode acontecer caso haja algum progresso no casoShalit.

NIDAL AL-MUGHRABI, REUTERS

04 de julho de 2008 | 16h32

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDHAMASTROCAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.