Hezbollah alerta para futuras retaliações contra Israel

Dirigente do grupo diz que não passará "em silêncio" violação do território libanês em que um foi morto

Agência Estado e Associated Press,

04 de fevereiro de 2008 | 11h43

Um dirigente do Hezbollah, Hussein Haj Hassan, declarou nesta segunda-feira, 4, que haverá retaliações devido à morte, por forças de Israel, de um homem na fronteira sul do Líbano. O Exército israelense abriu fogo na fronteira com o Líbano na noite de domingo, matando ao menos uma pessoa e ferindo outras, segundo oficiais do serviço de segurança libanês. O Exército de Israel disse que estavam respondendo a tiros aparentemente de traficantes de droga, vindos do lado libanês. A troca de tiros na fronteira é incomum desde a guerra de 2006 entre Israel e o Hezbollah. "Este acontecimento não vai passar em silêncio", disse Haj Hassan para a rede de televisão LBC. "É do direito da resistência responder por qualquer meio", acrescentou. Haj Hassan não ameaçou com retaliação imediata. Mas o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, avisou em um discurso recente que a paciência do grupo estava acabando com o que chamou de repetidas violações do território libanês. A força de paz das Organizações das Nações Unidas (ONU) instalada no sul do Líbano, ao longo da fronteira com Israel, informou em comunicado que houve "um incidente com tiros na área de Ghajar" e que uma "imediata investigação sobre os fatos" vai ocorrer. Yasmina Bouziane, porta-voz da força de 13 mil soldados, disse que um homem libanês foi levado por soldados de paz para um hospital em Marjayoun, onde depois foi declarado morto. E outro homem foi evacuado pelo exército libanês. Desde 2006, a maioria dos incidentes de fronteira foi resolvido sem vítimas, com a intervenção da força de paz.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.