Hezbollah nega relação com armas apreendidas por Israel

Marinha interceptou navio com armamentos supostamente enviados pelo Irã para o grupo libanês xiita

Reuters,

05 Novembro 2009 | 07h18

 O grupo libanês Hezbollah negou nesta quinta-feira, 5, ter qualquer ligação com um carregamento de armas que Israel afirma ter interceptado em alto mar. Autoridades israelenses afirmaram na quarta-feira que comandos navais apreenderam um navio com centenas de toneladas de armas fornecidas pelo Irã, incluindo foguetes, para o grupo militante xiita.

 

Veja também:

blog Blog do Chacra: Israel pode usar captura de navio com armas para escalada militar contra o Irã

 

"O Hezbollah nega qualquer ligação com as armas que o inimigo sionista afirma ter removido do navio Francop", disse o grupo em comunicado. "Ao mesmo tempo, condenamos a pirataria israelense em águas internacionais."

 

O oficial da Marinha israelense Ran Ben-Yehuda, falando na quarta-feira enquanto eram realizadas as buscas dentro do navio Francop, de bandeira da Antígua, no porto mediterrâneo de Ashdod, disse que as armas foram encontradas atrás de bens civis em pelo menos 40 contêineres.

 

O carregamento, disse ele, era suficiente para o Hezbollah, que atirou cerca de 4 mil foguetes contra Israel numa guerra de 34 dias em 2006, travar um mês de combates. "As armas vieram do Irã e tinham como destino o Hezbollah", disse Ben-Yehuda após a intercepção do navio em águas internacionais a cerca de 160 quilômetros de Israel. Ele disse que o carregamento foi pego pelo Francop no porto egípcio de Damietta e chegaria ao Hezbollah via Síria. A Síria e o Irã já negaram as acusações israelenses.

 

As evidências de que a embarcação partiu do Irã seriam documentos encontrados em seu interior e inscrições presentes nos contêineres: "IRISL", a sigla em inglês para a companhia de navegação iraniana. Israel acusa o Irã de armar o Hezbollah. A apreensão do carregamento de armamento ocorre no momento em que Teerã está sendo pressionada pelas potências ocidentais para aumentar a transparência de seu programa nuclear.

Mais conteúdo sobre:
Israel Líbano Irã Hezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.