Hezbollah se recusa a dizer se detém mísseis Scud

De acordo com governo israelense, organização já possui armamentos de longo alcance

AP

30 de abril de 2010 | 13h13

DAMASCO - O Hezbollah pode atacar a infraestrutura de Israel e provocar sérios danos no caso de uma guerra entre o grupo libanês e o Estado Judeu, disse nesta sexta-feira, 30, um líder extremista em comunicado. O Hezbollah, porém, recusou-se a dizer se detém mísseis de longo alcance do tipo Scud, o que tem sido motivo de discussão entre EUA, Israel e Síria.

 

Os mísseis têm sido o centro de novas tensões no Oriente Médio desde que Israel acusou a Síria de estar fornecendo o Hezbollah com Scuds, que possuem um longo alcance e podem causar mais danos do que os foguetes atirados anteriormente pelo Hezbollah contra Israel.

 

A Síria negou as alegações, assim como o primeiro-ministro do Líbano.

 

O líder do Hezbollah, Sheik Hassan Nasrallah, indicou que os detalhes dos armamentos pertencentes ao grupo são secretos.

 

"Nós não falamos na mídia sobre os mísseis que temos ou seus detalhes", disse Nasrallah segundo um site de notícias do Hezbollah. Ele falou em uma entrevista nesta quinta no canal do Kuwait Rai.

 

"Se o que temos é mais ou menos sofisticado do que um míssel Scud - esses são detalhes dos quais não queremos falar", acrescentou. "Se uma guerra começar... Nós dissemos que vamos atacar sua estrutura (israelense). Nós temos como cumprir essas promessas".

 

Oficiais americanos não confirmaram a posse de Scuds pelo Hezbollah, mas eles dizem que estão preocupados com o seu crescente arsenal de mísseis e foguetes. Na quinta, a Secretária de Estado Hillary Clinton disse que a transferência Síria de armamentos cada vez mais sofisticados para militantes no sul do Líbano e Gaza poderiam iniciar um novo conflito no Oriente Médio. Assim como Israel, os EUA consideram o Hezbollah como um grupo terrorista.

 

"Transferir armamentos para esses terroristas, especialmente mísseis de longo alcance, poria um séria ameaça a segurança de Israel", disse Clinton.

 

Nasrallah disse que esses discursos sobre o Hezbollah e os Scuds "carecem de evidências".

 

O Hezbollah e Israel lutaram durante 34 dias em um guerra em 2006 que deixou 1.200 libaneses e 160 israelenses mortos.

Durante o conflito, o Hezbollah lançou cerca de 4.000 foguetes contra o norte de Israel, incluindo diversos mísseis de médio alcance que pela primeira vez atingiram a terceira maior cidade de Israel, Haifa. O arsenal israelense, incluindo aviões de guerra, destruíram áreas no sul e leste do Líbano e uma área de forte influência do Hezbollah, ao sul de Beirute.

 

Desde de o conflito, Nasrallah disse que o Hezbollah possui mais de 30 mil foguetes e poderiam atingir qualquer localidade em Israel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.