Hillary discute Afeganistão, retirada do Iraque e Irã na Turquia

EUA querem colaboração turca para retirada do Iraque e adicional de tropas para o conflito no Afeganistão

Efe

07 de março de 2009 | 08h42

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, chegou à Turquia neste sábado, 7, e se reuniu com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, na última etapa de sua viagem pelo Oriente Médio e pela Europa. Veja também:  Principais pontos de discussão entre Rússia e EUA  Resultados do primeiro giro de Hillary à frente da chancelariaSegundo a rede "NTV", a agenda de Hillary inclui a tentativa de convencer o governo de Ancara do envio de tropas de combate ao Afeganistão e da retirada de soldados americanos do Iraque por solo turco. A chefe da diplomacia dos Estados Unidos visitará depois o mausoléu do fundador da República da Turquia, Mustafa Kemal Atatürk e posteriormente dará uma entrevista coletiva junto com o ministro de Exteriores turco, Ali Babacan.Depois, se reunirá com o presidente turco, Abdullah Gül, e deixará a Turquia por volta das 18h (13h de Brasília). Outro tema que Hillary tratará em suas reuniões com as autoridades turcas é a colaboração na luta contra o grupo armado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado terrorista por EUA, União Europeia e Turquia.Além disso, a imprensa local publicou que Hillary defenderá o papel da Turquia no processo de paz no Oriente Médio. Também se discutirá como as boas relações de Ancara com o Irã e sua condição de aliado estratégico dos Estados Unidos fazem da Turquia um aliado útil para reduzir as tensões e abrir um possível diálogo entre Teerã e Washington.As autoridades turcas insistirão na questão delicada para Ancara do apoio que Hillary deu a uma resolução do Congresso americano no ano passado a favor de reconhecer a existência do chamado "genocídio  armênio" por parte do Império Otomano em 1915, em um momento em que tentam normalizar as relações entre Turquia e Armênia.

Tudo o que sabemos sobre:
HillaryTurquiaAfeganistãoIraqueIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.