Manuel Balce Ceneta/AP
Manuel Balce Ceneta/AP

Hillary pressiona Israel para reforçar Autoridade Palestina

Secretária afirmou que medida é melhor arma contra grupos extremistas, como Hamas e Hezbollah

15 de abril de 2010 | 22h46

Reuters

 

WASHINGTON- Israel precisa perseguir mais a paz com os palestinos e reforçar suas instituições, ou grupos militantes como o Hamas terão mais poder, disse nesta quinta-feira, 15, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton.

 

Veja também:

linkHamas executa dois suspeitos de espionar para Israel

linkSíria diz que Israel planeja ataque e nega fornecer mísseis para o Hezbollah

 

Os esforços do presidente Barack Obama para retomar conversações de paz foram prejudicados por um desacordo sobre a construção de assentamentos judeus, que danificou as relações entre Washington e Israel.

 

Obama adotou uma linha bem mais contundente do que seus antecessores a respeito do Estado judeu, e na terça-feira descreveu a solução do conflito como "um interesse vital da segurança nacional", sugerindo que ele poderá pressionar por uma resolução do conflito.

 

Enquanto Hillary afirmou em um discurso para um grupo a favor da paz que os palestinos também deveriam promovê-la ao refrear os incitamentos, cessar a corrupção e a retórica inflamatória, ela aparentou estar imputando mais responsabilidades a Israel.

 

"Para Israel, aceitar passos concretos com destino a paz - por meio do processo de paz e reforço de instituições palestinas que citei - são as melhores armas contra o Hamas e outros extremistas", disse a secretária.

 

"Os que se beneficiam da nossa falha na liderança transitam pelo ódio e violência e dão força ao antisemita presidente iraniano (Mahmoud Ahmadinejad) e extremistas como o Hamas e Hezbollah", completou.

 

O Hamas é um grupo político e militante que controla e Faixa de Gaza e é rival do Fatah, a facção secular que lidera a Autoridade Palestina e governa West Bank.

 

O Hezbollah é um grupo militar e político libanês que exerce o controle de grandes áreas do sul do Líbano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.