Hillary promete ações graduais para derrubar Gaddafi

O esforço internacional contra o líder líbio Muammar Gaddafi tem como objetivo derrubá-lo, mas dará "um passo por vez" e inicialmente fará cessar a violência contra civis, disse a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, na sexta-feira.

ANDREW QUINN E TABASSUM ZAKARIA, REUTERS

18 de março de 2011 | 16h10

Enfrentando dúvidas em Washington sobre um novo envolvimento dos EUA num conflito que agita o mundo árabe, ela disse que o mundo foi deixado sem escolhas, a não ser agir.

"A recusa do coronel Gaddafi em ouvir os reiterados pedidos e em interromper a violência contra o próprio povo nos deixou sem escolha, a não ser tomar esse tipo de ação", disse Hillary a jornalistas.

A guinada dos EUA para uma posição mais dura em defesa da ação militar seguiu-se a um extenso debate interno no governo norte-americano sobre como impedir que Gaddafi aniquile os rebeldes que lutam para pôr fim ao governo de quatro décadas.

Hillary jogou água fria no anúncio de cessar-fogo feito pela Líbia depois que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas autorizou na quinta-feira a tomada de novas ações duras contra as forças de Gaddafi.

"Não reagiremos nem vamos nos impressionar com palavras, teremos de ver ações no terreno e isso ainda não está nada claro", afirmou.

"Continuaremos a trabalhar com nossos parceiros na comunidade internacional para pressionar Gaddafi a sair e apoiar as aspirações legítimas do povo líbio."

(Reportagem adicional de Caren Bohan, Missy Ryan e Tom Ferraro)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAHILLARYCLINTON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.