Homem-bomba de burca mata 18 policiais e civis no Afeganistão

Polícia afirma que pelo menos 22 pessoas foram feridas em ataque a um posto policial durante inspeção veicular

SHARAFUDDIN SHARAFYAR, REUTERS

15 de maio de 2008 | 09h32

Um suicida disfarçado em uma burca detonou os explosivos que levava em uma feira no oeste do Afeganistão nesta quinta-feira, 15, matando 18 policiais e civis, no ataque mais sangrento das últimas em semanas, disseram autoridades. Pelo menos 22 pessoas foram feridas na explosão, que aconteceu perto de um posto policial no distrito de Del Aram, na Província de Farah. Policiais estavam inspecionando os veículos no acostamento de uma estrada no momento da explosão. "Até agora 18 pessoas, incluindo policiais e civis, foram mortas", disse à Reuters o governador de Farah, Rohul Amin, por telefone. Citando autoridades perto do local, Amin afirmou que o suicida estava usando vestimentas típicas das mulheres afegãs. O presidente Hamid Karzai, que está à frente do país desde a queda do regime Taliban, condenou o ataque e afirmou ser "obsceno" que o suicida tenha usado uma burca como disfarce. Um porta-voz do Taleban, Qari Mohammad Yousuf, disse à Reuters que o ataque foi conduzido por um membro do grupo, que lidera uma insurgência contra o governo e as tropas estrangeiras no país. Ele afirmou que o suicida era um homem e não estava usando uma burca. Apoiado pela Al-Qaeda, o Taleban confia em ataque suicidas e explosões à beira de estradas para se manter ativo. Seis dos mortos eram policiais, incluindo uma importante autoridade. As outras vítimas eram civis. Mais de 12.000 pessoas morreram vítimas de violência no país desde 2006, apesar da presença de mais de 55.000 soldados estrangeiros liderados pelas forças da Otan e dos Estados Unidos, além de 150.00 agentes de segurança afegãos.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.