Human Rights Watch acusa Israel de crimes de guerra em Gaza

Human Rights Watch acusa Israel de crimes de guerra em Gaza

A ONG publicou um relatório descrito por ela mesma como a primeira documentação aprofundada dos incidentes que aconteceram durante o conflito

REUTERS

11 de setembro de 2014 | 10h55

A Human Rights Watch acusou Israel de cometer crimes de guerra ao atacar três escolas das Nações Unidas na Faixa de Gaza durante os combates de julho e agosto, matando civis palestinos que buscaram abrigo lá.

A ONG, com sede em Nova York, publicou um relatório nesta quinta-feira descrito por ela mesma como a primeira documentação aprofundada dos incidentes, que aconteceram durante um conflito de 50 dias entre Israel e militantes palestinos, encerrado COM um cessar-fogo em 26 de agosto.

“Três ataques israelenses que danificaram escolas de Gaza que abrigavam pessoas desabrigadas causaram diversas baixas civis em violação às leis de guerra”, disse A HRW no relatório, baseado em entrevistas com testemunhas e pesquisa de campo no enclave dominado pelo Hamas.

O grupo também disse estar cético sobre a credibilidade de cinco investigações criminais anunciadas pelos militares de Israel na quarta-feira sobre suas operações de guerra em Gaza.

A HRW disse que 45 pessoas, incluindo 17 crianças, foram mortas dentro ou perto das “bem-sinalizadas escolas” nos ataques de 24 de julho no norte de Gaza, em 30 de julho no campo de refugiados de Jabalya e em 3 de agosto em Rafah, sul do enclave.

Mais conteúdo sobre:
ISRAELPALESTINOSCRIMES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.