Iêmen decreta estado de emergência

Escalada da violência preocupa governo; Confrontos deixaram ao menos 46 mortos nesta sexta

AP e Reuters,

18 de março de 2011 | 08h22

SANAA - O governo do Iêmen decretou nesta sexta-feira, 18, estado de emergência na capital do país, Sanaa. O anúncio foi feito após a escalada da violência no país, com confrontos deixando 46 mortos e mais de uma centena de feridos. As forças iemenitas abriram fogo contra manifestantes que estavam concentrados na praça principal da capital, após as rezas de sexta-feira e para forçar sua demanda para que o presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder, renuncie. 

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

Centenas de policiais estão nas ruas da capital e as forças de elite estão preparando fortificações ao redor do palácio presidencial, ministérios e sede do partido que governa o Iêmen. O tiroteio começou quando os policiais tentaram impedir os manifestantes de marchar para fora da praça onde estavam concentrados.

 

 

 

Os manifestantes acampam há mais de um mês em praças por todo o Iêmen, inspirados pela revolução egípcia que tomou todo o Oriente Médio.Os manifestantes usam fogo, balas de borracha, gás lacrimogêneo, facas e pedras em confrontos cada vez mais violentos.

 

Ocorreram protestos nesta quarta-feira também na capital, Sanaa. Oposicionistas exigem a saída do presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder. Além da renúncia do presidente, os manifestantes pedem mais oportunidades de emprego e o fim da corrupção.

 

O Iêmen é mais um país do Oriente Médio a enfrentar manifestações políticas após levantes populares terem derrubado os governos na Tunísia e no Egito. Pelo menos 30 pessoas já morreram desde o início dos protestos no Iêmen, há um mês.

 

Saleh propôs adotar reformas políticas no país, incluindo a separação dos poderes de governo e a adoção de um sistema parlamentarista. A oposição, no entanto, não aceitou dialogar com o presidente. O líder, que está no poder desde 1978, disse anteriormente que pretende deixar a Presidência a partir de 2013.

 

A república iemenita foi criada depois que o Iêmen do Norte e o Iêmen do Sul se juntaram em 1990. Saleh liderava a República Árabe do Iêmen, no norte do país, desde 1978, quando assumiu o poder depois de um golpe militar. As primeiras eleições presidenciais diretas ocorreram apenas em 1999.

 

Apesar de ser, na teoria, um sistema multipartidário, a política do Iêmen é dominada pelo partido de Saleh, o Congresso Geral do Povo, desde a unificação. Opositores iemenitas vêm protestando desde fevereiro, inspirados pelas revoltas em países vizinhos.

 

(Com BBC)

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmen

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.