Iêmen diz que Al-Qaeda converteu nigeriano em Londres

Segundo governo, terrorista nigeriano também manteve contato com clérigo ligado a ataque em Fort Hood

Efe,

07 de janeiro de 2010 | 15h13

O governo iemenita disse nesta quinta-feira, 7, que o jovem nigeriano que tentou atacar com uma bomba a bordo um avião com destino aos Estados Unidos no dia de Natal foi captado para as fileiras da Al-Qaeda na Península Arábica em Londres, e não em território do Iêmen, informou a agência oficial "Saba".

Veja também:

link Relatório sobre atentado frustrado é chocante, diz assessor de Obama

Em entrevista coletiva, o vice-ministro da Defesa e Segurança iemenita, Rashad al-Alimi, disse que, segundo as investigações de seu país o jovem Umar Farouk Abdulmutallab entrou em contato com a Al-Qaeda na Península Arábica durante suas visitas à capital britânica.

Além disso, citando as investigações realizadas na Holanda - onde embarcou rumo a Detroit (EUA) - Alimi disse que Abdulmutallab "provavelmente tinha conseguido os explosivos na Nigéria antes de chegar ao aeroporto de Amsterdã", segundo a "Saba".

O grupo assumiu a autoria do atentado frustrado do dia de Natal, e o próprio presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ratificou esta responsabilidade.

Além disso, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, considerou que a instabilidade no Iêmen é uma ameaça para a segurança global, devido à grande presença do grupo terrorista no país.

O vice-ministro da Defesa iemenita disse também que as forças de segurança do Iêmen frustraram vários ataques da Al-Qaeda contra alvos estrangeiros, incluindo a Embaixada do Reino Unido em Sana, segundo a "Saba".

As embaixadas do Reino Unido e EUA fecharam no domingo devido a um alerta de ataque terrorista. Em seguida, as da França e do Japão encerraram suas portas, além das delegações da Alemanha e Espanha, que fecharam parcialmente. Todas voltaram parcialmente à normalidade, após permanecer dois dias fechadas.

"As forças de segurança apreenderam grande quantidade de munição e coletes explosivos do mesmo tipo usado contra o ministro do Interior saudita em agosto", disse o vice-ministro iemenita, ao falar da luta contra o terrorismo realizada por seu país.

Encontro com clérigo

Mais cedo, o vice-premiê afirmou que Abdulmutallab havia entrado em contato no Iêmen com o clérigo radical Anwar al-Awlaki. O religioso, de cidadania americana e iemenita, ficou conhecido nos EUA após trocar emails com o o major Nidal Malik Hasan, acusado de matar 13 pessas em um quartel do Exército americano em novembro.

De acordo com o vice-ministro, o governo local está interrogando vários suspeitos de terem tido contato com Abdulmutallab antes do atentado frustrado do último Natal, quando ele tentou explodir um avião que ia de Amsterdã para Detroit

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenatentado frustradoAbdulmutallab

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.