Iêmen é terreno fértil para radicalismo, diz diplomata da ONU

Para coordenador de monitoramento do Taleban e Al-Qaeda, mazelas do país contribuem para terrorismo

Luiz Raatz, do estadao.com.br,

09 de janeiro de 2010 | 18h04

Dividido por movimentos separatistas e rebeliões religiosas e país mais pobre do Oriente Médio, o Iêmen se tornou em 2009 lar da Al-Qaeda na Península Arábica, grupo terrorista inspirado pela rede de Osama bin Laden formado por sauditas e iemenitas.

 

Veja Também

linkEUA devem intensificar ajuda ao Iêmen após atentado frustrado

linkNo frágil Iêmen, EUA enfrentam desafio de um líder em conflito

linkEUA não enviarão tropas ao Iêmen, diz general

especial ESPECIAL: As franquias da Al-Qaeda

 

De acordo com Richard Barret, coordenador da equipe de monitoramento do Taleban e Al-Qaeda da ONU, o país é um terreno fértil para atividades radicais islâmicos e os EUA terão de intensificar a ajuda antiterrorismo no país para debelar esta nova ameaça, depois que um terrorista nigeriano tentou explodir um avião que ia de Amsterdã a Detroit no último Natal. Leia a íntegra da entrevista.

 

Por que estas franquias da Al-Qaeda surgiram no mundo islâmico?

Acredito que sempre houve um certo grau de apoio à Al-Qaeda em muitos países. No caso da Al-Qaeda na Península Arábica, a Arábia Saudita sempre foi um alvo da Al-Qaeda. E sempre foi muito efetiva em ações de contraterrorismo. E isso empurrou muitos ativistas para o Iêmen. Em janeiro de 2009 eles se juntaram.

 

Antes disso, o Afeganistão era a base e de lá partiam para formar grupos locais. E até mesmo antes do 11 de setembro, havia grupos militantes na Somália e no Iêmen já tinha simpatia pela Al-Qaeda central. Depois dos atentados, estes grupos locais se aproximaram da rede. No caso do Iraque, o grupo surgiu depois da invasão americana

 

E qual a relação destes grupos com a Al-Qaeda no Afeganistão?

O elo é relativamente fraco. Eles seguem a mesma estratégia, e sem dúvida mantêm contato. Mas não é algo em bases diárias. No geral, há um entendimento ideológico, mas não há ordens dadas pela base no Afeganistão e no Paquistão.

 

Você falava da Arábia Saudita. Qual o papel o país na contenção ao radicalismo islâmico?

A Arábia saudita tem um papel muito importante no mundo muçulmano, de modo geral, porque os dois locais sagrados [Meca e Medina] ficam lá e eles precisam cuidar deles. No passado, muitos sauditas entraram e auxiliaram a Al-Qaeda. Mas desde que as autoridades sauditas aumentaram a repressão contra o extremismo no Reino eles encontraram dificuldades para operar lá. Além disso, os sauditas tem um papel especial em conter o apoio à Al-Qaeda. Eles fazem muito isso por meio da internet, em salas de chat, e reabilitando terrorismo, além das operações de contraterrorismo.

 

E quanto ao Iêmen, que tem um governo enfraquecido e enfrenta rebeliões religiosas e civis? Porque a Al-Qaeda está lá?

Os radicais vão ao Iêmen porque é um local fácil de operar. Se as tribos dizem " OK, vocês podem ficar", eles serão deixados em paz pelo governo, que é muito fraco. Há muito desemprego, além da rebelião xiita e dos separatistas no sul. Há também os refugiados da Somália que fazem o problema mais grave. A população é muito jovem e pode ser facilmente atraída para a Al-Qaeda mesmo que não acreditem fielmente na ideologia deles.

 

E pode acontecer no Iêmen o que aconteceu no Afeganistão no final dos anos 90?

Há algumas diferenças. Há muita pressão sobre o governo central. Além disso é um país muito novo (Unificado em 1990). Até 1994 havia uma guerra civil. Não é muito como o Afeganistão, que viveu anos de conflito até que o Taleban assumiu. Por mais que o governo do Iêmen é difícil que o país se torne algo como o Afeganistão do Taleban.

 

Como o atentado frustrado do Natal vai influenciar nas políticas do governo Obama sobre o terrorismo?

É incrível como algo assim tenha um efeito tão imediato e domine a agenda política e da mídia. Não creio que vá ter algum efeito a longo prazo, mas haverá um efeito sobre Guantánamo. Será mais difícil repatriar os iemenitas lá. Além disso, os EUA, precisarão de um novo foco para o Iêmen. Terão de estar mais lá do que estão agora na área de contraterrorismo. Além disso os EUA terão de estar alerta para outras áreas do mundo, onde o terrorismo pode florescer e se recuperar. A Al-Qaeda central em si foi muito atingida com a guerra no Afeganistão nos últimos anos. Os EUA não vão querer ver algo similar acontecendo de novo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.